Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Profissionais da área hospitalar não apresentam boas condições de saúde

Publicidade

Uma pesquisa realizada na Universidade Estadual Paulista (Unesp) revelou que profissionais da Divisão Regional de Saúde 10, órgão vinculado à Secretaria de Estado da Saúde do Estado de São Paulo, em Bauru, não apresentam boas condições de saúde. O estudo apontou um risco elevado para o desenvolvimento de doenças cardíacas entre enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos e assistentes sociais. Dos 120 funcionários que participaram do estudo, 84% apresentavam risco de ter algum problema no coração, segundo a pesquisa.
Segundo informa a Agência Fapesp, o questionário aplicado aos trabalhadores considerou a predisposição genética, o sedentarismo e o tabagismo dos entrevistados, além de ter sido realizada uma série de exames médicos, laboratoriais e físicos em todos os voluntários.

Os pesquisadores traçaram o histórico de saúde de cada profissional, com base em informações como a freqüência cardíaca e a pressão arterial, em diferentes situações de trabalho. Foram verificados ainda o peso, a altura, o índice de massa corporal, o perfil lipídico e o porcentual de gordura.

Os resultados apontaram 73% dos profissionais de saúde com índices de gordura corporal acima do recomendado, 63% como totalmente sedentários, 53% com capacidade cardiorrespiratória abaixo do normal, 52% como acima do peso, 47% como hipertensos, 45% com colesterol alto e 17% como tabagistas.

Para Henrique Luiz Monteiro, professor do Departamento de Educação Física da FC e um dos autores da pesquisa, a justificativa para a prevalência desses problemas é simples: a maioria dos profissionais estudados trabalha sob estado de estresse, devido à sobrecarga de trabalho.

Segundo os pesquisadores, os próprios funcionários não tinham noção de suas condições de saúde, o que os levou a procurar auxílio médico depois de saber dos resultados.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta