Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

PI: Candidatos querem descentralizar serviços de saúde

Publicidade

A menos de um mês das eleições, os principais candidatos ao governo do Piauí têm em comum metas para a descentralização dos serviços de saúde no estado. Destacam-se na corrida eleitoral: Wilson Martins (PSB), com 24% das intenções de voto, e Silvio Mendes (PSDB), com 22%, João Vicente Claudino (PTB), com 19%, segundo pesquisa realizada em agosto pelo Ibope.
e receba os destaques em sua caixa de e-mail. 

Wilson Martins apresenta como um de seus objetivos garantir a presença de pelo menos um médico em cada município do estado. Já o tucano Silvio Mendes pretende ampliar a oferta de serviços assistenciais como fisioterapia, nutrição, odontologia e fonoaudiologia. Claudino, por sua vez, planeja implantar sistemas de tecnologia que possibilitem a gestão e o controle eletrônico de medicamentos e materiais de consumo hospitalar.
 
Confira abaixo todas as propostas apresentadas por cada candidato para melhorar a saúde pública no estado.
Wilson Martins (PSB)
– Fortalecer as ações preventivas, como o Programa Saúde da Família, Programa de Saúde do Adolescente e Programa Estadual de Prevenção ao Câncer. Fazer chegar à casa das pessoas os remédios de uso contínuo, através dos agentes de saúde;
– Destacar os programas de atendimento às pessoas com deficiência e ampliação da rede de fisioterapia e reabilitação motora;
– Implantar pelo menos uma Unidade Básica de Saúde (UBA) e ampliar a presença do SAMU no interior do estado, além de trabalhar para garantir que haja um médico residindo em cada uma das cidades do Piauí;
– Assegurar a qualificação permanente de profissionais, a aquisição de mais equipamentos médico-hospitalares, aberturas de unidades de diagnóstico no interior do estado e mais estímulo às pesquisas na área de saúde.
Silvio Mendes (PSDB)
– Fortalecimento das gestões municipais;
– Parceria com os municípios para a implementação da rede assistencial, com hierarquização e contra-referência;
– Parceria com os municípios para ampliação do acesso e melhoria da qualidade das ações e serviços de saúde, especialmente na atenção básica e assistência farmacêutica;
– Parceria com os municípios para ampliação de outras ações assistenciais, tais como serviços de fisioterapia e reabilitação; nutrição; odontologia; fonoaudiologia; tendo como meta a assistência integral e universal da população;
– Reestruturação dos hospitais, especialmente os regionais, ampliando a resolutividade e incentivando a permanência de recursos humanos multiprofissionais e suficientes, como medida de solução local das necessidades dos cidadãos;
– Apoio aos municípios para a solução das dificuldades da rede de saúde local e formalização da Política de Regulação entre Teresina e os demais municípios do estado (referência e contra-referência);
– Implementação da regulação e controle das ações e serviços de saúde e estabelecimento de processos de avaliação da metas a serem alcançadas;
– Implantação de laboratórios de análises clínicas municipais;
– Qualificação do controle social do SUS.
João Vicente Claudino (PTB)
– Promoção de parceria entre as instituições públicas e privadas, visando acelerar a elevação do nível de qualidade dos serviços de saúde e de vida da população;
– Regionalização da medicina, mediante a adequação dos hospitais regionais com equipamentos de alta resolução, desafogando a Capital Teresina, além de beneficiar as pessoas da região com a rapidez no atendimento e a realização de exames complexos, sem a necessidade de se deslocarem para outros centros;
– Implantação de Centros de Diagnóstico nos hospitais regionais, potencializando os municípios polos de referência e levando os serviços para mais perto dos cidadãos;
– Qualificação de profissionais médicos e paramédicos, através da realização de cursos especializados, habilitando-os para a operacionalização de equipamentos de alta resolução;
– Implantação do Programa de Qualificação dos profissionais da saúde, com o objetivo de maior humanização do atendimento com acolhimento;
– Divulgação da classificação de risco nas unidades de saúde;
– Valorização dos profissionais da área da saúde com a concessão de uma remuneração justa e compatível com o grau de especialização;
– Concessão de incentivos aos profissionais de saúde que se mantiverem em áreas de atendimento de urgência e emergência;
– Incentivo na ampliação da participação popular no controle social da área da Saúde, fortalecendo os Conselhos Locais, Municipais e o Estadual de Saúde, com o objetivo de operacionalizar as propostas provenientes destes fóruns;
– Articulação junto aos municípios para ampliar a cobertura do programa de atenção primária, especialmente os de agentes comunitários e de Saúde da Família;
– Construção de hospitais Materno infantis regionais nas áreas de maior carência;
– Construção de um novo Hospital Materno Infantil em Teresina;
– Reforço e Ampliação do complexo hospitalar de base do pólo de saúde da Capital;
– Reavaliação do sistema de gestão dos hospitais regionais do Estado, com o objetivo de garantir o funcionamento adequado;
– Articulação de ações nas áreas de Educação, Meio Ambiente, Saneamento, Urbanização, Alimentação, Combate à Violência, Emprego e Renda, além de outras, somando às ações específicas da saúde, para que se alcancem resultados desejáveis;
– Execução das ações da Saúde, levando em conta as regiões, a situação demográfica, o perfil epidemiológico da população e as características quantitativas e qualitativas da rede de Saúde;
– Descentralização da gestão do SUS dentro dos princípios de fortalecimento do sistema, com a devida estruturação;
– Articulação com o Governo Federal e Municipal para Criação de Clinicas de Recuperação de Dependentes Químicos, em parceria com a Iniciativa Privada e Entidades Não Governamentais;
Implantação de Unidades de Pronto Atendimento – UPA, nos municípios que são polos de referência, servindo de instrumento intermediário entre a atenção básica e média complexidade, conforme normas ministeriais;
– Consolidação da programação de expansão do SAMU, através de consórcios com todos os municípios;
– Expansão e implantação dos Centros de Especialidades Odontológicas – CEO”s, nos municípios que são sedes dos territórios de desenvolvimento;
– Interligação das informações da saúde através da criação de uma rede virtual;
– Ampliação dos serviços especializados na recuperação e reabilitação dos pacientes;
– Implantação de Sistemas de Tecnologia que propiciem a gestão e controle eletrônico de medicamentos e materiais de consumo hospitalar, prevenindo judicialização da saúde publica; o prontuário eletrônico de pacientes e a Prescrição de remédios via certificação digital.
Você tem Twitter? Então, siga https://twitter.com/ e fique por dentro das principais notícias do setor.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta