Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Pesquisa revela: Mulheres que abortam são maltratadas no serviço de saúde

Publicidade

Segundo a tese desenvolvida pela enfermeira Simone Mendes Carvalho, defendida na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a discriminação e o despreparo de profissionais tornam o atendimento de mulheres que recorrem o aborto inadequado no sistema de saúde.
O estudo indica que geralmente são mulheres de baixa renda que abortam, e que há uma demora, além de muitas vezes sequer terem anestesia.
Segundo o material desenvolvido, foram entrevistadas 16 mulheres que tiveram 44 gestações e abortaram 22 vezes. Na maioria das vezes elas tinham menos de 20 anos  e não tinham condições de sustentar os filhos, assim como o relacionamento com o então parceiro. Entre as técnicas utilizadas estava a ingestão de comprimidos e chás abortivos.
Devido ao despreparo de profissionais e à discriminação, mulheres que recorrem ao aborto induzido no país são maltratadas ou atendidas inadequadamente no sistema de saúde. Segundo a pesquisadora, o julgamento é um fator moral relevante direcionado às pessoas que abortaram. Desestimuladas, elas não procuram serviço médico e aumentam o número de mortes. O Ministério da Saúde confirma que esta é a quarta causa de morte materna no país – e, no Rio, trata-se da terceira. O problema é reconhecido pelo Conselho Regional de Enfermagem (Coren), que admite que cerca de 80% das pacientes que passam pelo procedimento,, são na maioria das vezes hostilizadas nessas unidades.
Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/SB_Web e fique por dentro das principais notícias do setor.
  

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta