Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Pesquisa DataFolha: Estudo aponta as dificuldades no relacionamento entre hospitais e operadoras

Publicidade

Uma pesquisa realizada pelo DataFolha, encomendada pelo Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (SINDHOSP) e a FEHOESP – Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo, avaliou o relacionamento entre hospitais e operadoras de planos de saúde de São Paulo. Ao todo foram entrevistados 44 hospitais da Grande São Paulo, onde 48% ocupam cargos de gerência e 21% de diretoria.
Segundo o levantamento, 75% dos hospitais se queixam da demora das operadoras para a liberação de guias, ou seja, procedimentos não são realizados com a rapidez que poderiam. Cerca de 52% ainda reclamam de falhas no atendimento por parte das operadoras e, 25%, de problemas de cobertura.
Já na avaliação das operadoras, a Sul América ficou com o maior saldo positivo (+166), nos seis quesitos pesquisados. Ela se sobressai em importância (+68), faturamento (+77) e pontualidade no pagamento (+41). Na questão da remuneração ficou com (-21) e ao atendimento (-6). A Unimed Paulistana, foi a segunda melhor avaliada (+123), e apresentou saldo positivo em todas as categorias. A Bradesco sobressai-se em importância (+52) e faturamento (+61), mas perde em pontualidade no pagamento (-27) e em relacionamento comercial (-16).
De acordo com a pesquisa, os planos com pior avaliação foram a Blue Life (-64), Intermédica (-23), Dix Amico (-16), Classes Laboriosas (-10) e Marítima (-6), sendo que para a Blue Life o que mais pesa desfavoravelmente é a falta de pontualidade no pagamento (-32).
Sobre as glosas e reajustes, a maior parte dos hospitais pesquisados (70%) trabalha com percentuais de glosas de 7% sobre o total do faturamento. 43% raramente ou nunca recebem comunicado sobre glosas antes do pagamento e 25% só recebem de vez em quando. Além disso, o tempo médio para pagamento ao hospital após o envio de recurso ficou em torno de 2,3 meses, sendo que para outros chega a seis meses.
Cerca de 91% dos hospitais afirmaram ainda que as diárias e taxas de serviços foram reajustadas em 6%, em média, de 41 operadoras. Porém, 23% dos hospitais afirmam que sofreram redução de 8%, em média, nas diárias e taxas por 5 operadoras.
Confira o estudo completo: http://www.sindhosp.com.br

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta