🚀 HIS18 Já conferiu os primeiros palestrantes do HIS? Já são mais de 20! CLIQUE AQUI

Pesquisa avalia implantação do Programa Saúde da Família

Publicidade

Uma equipe de pesquisadores do Núcleo de Estudos Político-sociais em Saúde (Nupes) do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde (Daps) da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) repassou para o Ministério os principais resultados da avaliação feita sobre Aracaju, Brasília, Camaragibe, Campinas, Goiânia, Manaus, Palmas, São Gonçalo, Vitória e Vitória da Conquista, informa a assessoria de imprensa da Fiocruz.
“Analisamos quais aspectos facilitaram ou dificultaram a implementação do PSF nessas cidades, quais experiências foram bem sucedidas, quais não e por quê. Esses dados servirão de subsídios para as decisões do Ministério”, explica a pesquisadora da Ensp, Sarah Escorel, coordenadora-geral da pesquisa, que custou R$ 385 mil, financiados por uma doação do governo japonês. O estudo detalhou desde características demográficas, epidemiológicas e oferta e produção de serviços de saúde, até informações sobre o controle social, estratégias de implementação, condições de vida dos usuários, integração do PSF à rede de serviços de saúde e integralidade da atenção.
A forma de financiamento do PSF ainda é um dos maiores obstáculos e sua mudança é uma das principais recomendações da avaliação. “É um problema muito sério. O incentivo financeiro que o Ministério da Saúde fornece aos municípios para o PSF é relacionado à cobertura que a cidade alcança. Para ter o incentivo máximo, ele precisa chegar a 70% de população atendida”, disse Sarah. Foram feitas mais de quatro mil entrevistas entre gestores, conselheiros, integrantes do PSF, auxiliares de enfermagem, agentes comunitários de saúde (ACS) e famílias.
Das cidades pesquisadas, Camaragibe, Campinas e Vitória da Conquista foram considerados locais onde o PSF foi bem implantado no maior número de aspectos. Apesar de o estudo nesta cidade não incluir a avaliação das equipes e das famílias (estudo parcial), Campinas é um exemplo de “boas práticas” no que se refere a dois aspectos principais: o processo de implementação em município com uma rede de atenção básica estruturada pré-existente e a estratégia de obtenção de apoio da população e dos profissionais numa situação em que existiam muitas resistências por experiências mal conduzidas anteriormente. Nessa cidade, a rede básica não foi desestruturada, mas foi integrada ao novo sistema. As equipes que já estavam nas unidades básicas (pediatras, ginecologistas, dermatologistas) passaram a dar apoio às novas equipes do PSF, coordenadas por médicos generalistas, na tarefa de fazer a triagem e o acompanhamento dos pacientes.
Em contrapartida, Goiânia, Manaus e São Gonçalo (nessa última, também foi feito um estudo parcial) podem ser consideradas cidades onde houve problemas de implantação em vários aspectos. Segundo a pesquisa, no caso de Goiânia a concepção do programa foi exclusivamente voltada para a educação em saúde, embora lhe dessem o nome de Promoção de Saúde. Em Manaus, foram identificados paralelismo e superposição das Unidades de Saúde da Família (UFS) com outras duas redes de unidades básicas. “São Gonçalo teve uma estratégia de implantação rápida e massiva (179 equipes de Saúde da Família – ESF), que desestruturou a rede básica anteriormente existente e, por motivos vários, não conseguiu ser implantada efetivamente, desorganizando o que existia sem pôr algo de novo no lugar”, afirmou Sarah.
No geral, os números sobre o funcionamento e a avaliação das famílias sobre o PSF foram muito positivos. Segundo a avaliação da equipe da Fiocruz, a satisfação com o PSF das famílias pesquisadas foi superior a 70% em todos os municípios, exceto Goiânia (66%), atingindo seu máximo em Camaragibe (78%), com os entrevistados comentando a boa qualidade e a humanização do atendimento e as atividades realizadas pelos ACS como pontos positivos. Em todos os municípios as famílias consideraram, de maneira geral, que com a implantação do PSF melhoraram as condições de saúde do bairro, de sua família e o atendimento em caso de doença. Mais de 70% das famílias pesquisadas consideraram que, após o PSF, as condições de saúde do bairro melhoraram, exceto em Vitória e Goiânia, onde os percentuais foram mais baixos, porém acima de 60%.
Os percentuais de famílias que mencionaram problemas foram bastante reduzidos, chegando a 12,5% quanto ao atendimento por auxiliares de enfermagem em Vitória da Conquista e a 10% quanto ao atendimento médico em Brasília. Os principais problemas relatados pelas famílias foram a falta de qualidade no atendimento prestado, profissionais pouco atenciosos e horários de atendimento inadequados. O grau de insatisfação também foi baixo em geral, observando-se o maior percentual em Goiânia (18%) e Brasília (13%). O fator negativo mais assinalado foi o acesso ao atendimento. As famílias insatisfeitas sugeriram o aumento do número de profissionais, inclusão de especialistas nas ESF, ação mais eficaz por parte dos ACS, como aferir pressão, fazer curativos, humanização do atendimento e maior resolutividade dos problemas.
Em todos os municípios, a maioria das famílias atendidas no último mês pelo programa conhecia o profissional que as atendeu. Consideraram que o profissional fora atencioso, 97% ou mais das famílias atendidas. Em quase todos os municípios pesquisados, mais de 70% das famílias recebem atendimentos dos agentes comunitários) com freqüência mínima mensal. Em todos os municípios, mais de 96% informaram conhecer os ACS.

       
Publicidade

Deixe uma resposta