HIS17 Já emitiu sua credencial gratuita para o HIS '17? Quero! Agora!

PEP: como a TI pode ajudar na segurança do paciente?

Na rotina médica, o Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) proporciona mais que organização. Além de reduzir o retrabalho dos profissionais de saúde e agilizar uma série de processos antes feitos manualmente, o sistema permite um melhor engajamento entre médicos, enfermeiros e pacientes.

Na assistência à saúde ele colabora, sobretudo, para oferecer ampla disponibilidade. Mas, levando em conta que a área médica manuseia muitas informações, em sua maioria de acesso privado, como garantir a confidencialidade e a integridade dos dados do paciente?

Quer saber como a Rede São Camilo garantiu uma gestão integrada das suas unidades?

Assista ao vídeo e confira o depoimento do diretor de TI da Rede São Camilo de Hospitais de São Paulo, Klaiton Simão, e confira como a Tecnologia da Informação é usada na instituição não só para registrar dados e monitorar faturamento, mas, sim, para obter diferencial competitivo.
Assista o vídeo

Em primeiro lugar a legibilidade das informações fica garantida. Informações médicas de um paciente demandam o máximo de precisão por parte dos profissionais de saúde e, com o PEP, nenhum dado corre o risco de ser mal interpretado.

Um registro claro e preciso do ato clínico mantém a identificação do profissional e isso possibilita a rastreabilidade da informação. A personalização do estilo de documentação facilita inclusive o acesso às informações necessárias para todos os tipos e categorias profissionais.

Ser legível, no entanto, não significa ser autêntico. Um bom PEP deve adotar mecanismos de segurança capazes de garantir autenticidade, confidencialidade e integridade das informações de saúde. Neste caso, a certificação digital é a tecnologia que melhor provê estes mecanismos.

Além da precisão no diagnóstico, a questão da segurança é primordial para um bom funcionamento do sistema. Combinando técnicas de engenharia de proteção e análise de riscos, a TI pode proteger o sistema através do uso de tecnologias como certificados digitais, criptografia, e-CPF, e-CNPJ.

Um calendário constante de treinamento também é necessário. As pessoas ainda são o elo mais fraco da cadeia de um sistema no quesito segurança, e por isso é preciso manter os usuários com acesso sempre cientes dos riscos.

       

Deixe uma resposta