Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Pacientes com aids discutem alternativas que evitem mudanças físicas causadas por remédios

Publicidade

“A cara da aids mudou no Brasil”. Ao contrário do que se possa pensar, a frase de Regina Cohen, soropositiva há 11 anos, nada tem a ver com mudança no grupo de risco de contaminação pelo vírus. A mudança à qual ela se refere diz respeito às transformações físicas provocadas pelos medicamentos nas pessoas que têm a doença.
Deixe o seu comentário sobre esta notícia
Tem mais informações sobre o tema? Então, clique
Essas transformações são sentidas principalmente pelos pacientes que usam os medicamentos anti-retrovirais há mais tempo. Nas mulheres, as costas ficam mais largas, há aumento nas mamas e perda de massa muscular nos membros. Nos homens ocorre o aumento da barriga e acentuamento de vinco na face.
Uma das consequências da descaracterização do corpo é a queda da auto-estima. Há ainda pacientes que deixam de tomar a medicação e outros que nem aderem ao tratamento ao perceberem as mudanças sofridas por outras pessoas.
“Tem pessoas que deixam de tomar a medicação por causa da transformação que exclui as pessoas socialmente. Tem pessoas que ficam infelizes. E os novos não estão querendo tomar a medicação com medo das transformações pelas quais passamos”, afirma Regina Cohen, que também é integrante do Movimento Nacional das Cidadãs Positivas.
Ela conta que teve o corpo totalmente modificado e que o marido, que convive com a aids há 20 anos, teve de passar por uma cirurgia de preenchimento na face.
O pesquisador e consultor do Ministério da Sáude sobre HIV/Aids, Mário Ângelo Silva, afirma que as consequências não são exclusivas dos medicamentos, mas também da própria ação do vírus no organismo. E aponta que há medidas a serem adotadas pela rede de saúde para amenizar, ou mesmo evitar o problema.
“Tem como evitar se forem disponibilizadas para essas pessoas atividades físicas e nutricionais que possam prevenir esses problemas, além de cirurgias reparadoras para quem já está vivendo o problema.”
Segundo ele, há portarias do Ministério da Saúde que tratam do assunto e recursos disponíveis. O que falta, diz Mário Ângelo, é a adesão da rede de saúde de estados e municípios que precisam contratar profissionais e organizar os serviços. Ele ainda alerta que quanto mais cedo o paciente tiver acesso a esses recursos, menores serão as transformações.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta