Semana da Saúde 2017 Semana da Saúde: discuta os principais assuntos de Tecnologia da Informação em 10 Webinars. Reserve seu lugar! Clique aqui

Paciente Expert

Publicidade

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em artigo publicado na revista Interface – Comunicação, Saúde, Educação, fizeram uma revisão bibliográfica em 15 estudos que discutem as consequências que o “paciente expert”, indivíduo que busca ativamente informações sobre doenças na internet, teria sobre a profissão médica.

Deixe o seu comentário sobre esta notícia

Tem mais informações sobre o tema? Então, clique aqui

Ainda que os artigos analisados, que envolveram 33 autores de 18 universidades, apresentem posições distintas sobre a interferência de tais informações na relação médico-paciente, a análise chama a atenção para a desprofissionalização da prática médica, questão discutida há anos e que, segundo os autores do estudo, necessita de atualizações.

“Teorias a respeito da desprofissionalização vêm sendo discutidas no âmbito de diferentes profissões desde a década de 1970. Trata-se de uma questão sociológica que tem na medicina a profissão ideal para esse tipo de debate”, disse uma das autoras do artigo, a médica Helena Beatriz Garbin, da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, à Agência FAPESP.

“O problema é que as pessoas vêm adquirindo muito mais informação do que conhecimento médico. E quando o indivíduo leigo adquire informações sobre sua doença, isso pode até gerar certo reequilíbrio na relação médico-paciente, mas a questão do poder de decisão ainda deve ser baseada em quem detém o conhecimento”, afirmou.

Os artigos analisados, publicados entre 1997 e 2005 por pesquisadores do Reino Unido, Holanda, Estados Unidos e Canadá, foram selecionados em duas revistas britânicas da área: Social Science and Medicine e Sociology of Health & Illness. De acordo com o serviço ISI Journal Citation Report, as duas revistas estão entre as mais importantes no mundo nas áreas de sociologia, ciências sociais e biomedicina.

Segundo o estudo, a internet pode oferecer grande quantidade de dados atualizados, tendo condições de transformar a relação médico-paciente, tradicionalmente baseada na autoridade concentrada nas mãos do médico.

“A elevação do poder decisório do paciente compromete a autoridade profissional e desafia o médico a estar constantemente atualizado, criando a possibilidade de decisões mais compartilhadas”, disse Helena. Para ela, o acesso às informações na internet faz com que o “paciente expert” esteja menos disposto a acatar as determinações médicas.

Diálogo mais produtivo

Segundo a análise feita pelos pesquisadores da Fiocruz, a literatura científica analisada considera que o paciente expert é resultado da melhoria do nível educacional das populações, do maior acesso às informações técnico-científicas disponíveis e da transformação da saúde em um objeto de consumo.

Outros artigos analisados, no entanto, sugerem que esse comportamento poderia, por outro lado, fortalecer a imagem do médico: os pacientes acabariam confiando mais no profissional após a consulta das fontes da internet.

“Apesar do alto potencial de gerar conflitos, consultar dados na internet também pode reforçar essa relação, dependendo muito, nesse caso, de como o médico vai se adaptar com o nível de atualização do paciente”, disse Helena.

As mulheres, de acordo com a pesquisa, são as que mais buscam informações sobre saúde na internet, ao procurar prevenir doenças e reduzir os custos de tratamento de membros da família. “Atualmente, tem crescido também o número de jovens e idosos em busca dessas informações”, disse.

O artigo ressalta que muitas vezes os dados na internet podem estar incompletos e até incorretos, além de que a linguagem médica pode não ser entendida como deveria, fazendo com que os pacientes tenham dificuldade de distinguir o certo do enganoso.

“A maior preocupação não está na relação entre médico e paciente, mas no nível dos riscos que são oferecidos para a saúde pública. O perigo do excesso de informação na internet está na falta de um controle de qualidade desses dados, o que poderia acarretar, entre outros problemas, no aumento da automedicação”, aponta Helena.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta