Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

OPINIÃO: Vivendo a integralidade da gestão

Publicidade

Integralidade é acreditar, pensar e agir em completa concordância com os valores de integridade moral, ética e de cidadania. É sentir-se pleno, verdadeiro e inteiramente integrado com a verdade e com as forças do universo e com a realidade Espiritual. Por isso quando os lideres estão sendo sinceros, íntegros, dizendo e fazendo de acordo com essa realidade, os liderados sentem e confiam intuitivamente no processo e nos resultados.

Deixe o seu comentário sobre esta notícia

Tem mais informações sobre o tema? Então, clique

Um verdadeiro líder holístico, na dimensão de um Ser quântico, fala com o coração e manifesta-se de forma completamente integrada com essa realidade quântico-espiritual, pois entende que a essência de viver como espírito é cumprir todos os compromissos para que fomos criados, e nisso se incluem os compromissos conosco e com os semelhantes, essencialmente no trabalho.

Não podemos esquecer que para ganhar a confiança é preciso ter competência e acima de tudo credibilidade e essa se obtém com a confiança dos clientes, fornecedores e colaboradores. Para ganhar essa confiança ampla, a organização e seus lideres devem ter integridade, entendendo que confiança real e plena é produto da integridade sincronizada com a competência em um processo de convergência.

A integralidade é a força da união, e esta é o ponto central da Gestão holística com princípios quânticos, que torna essa visão comum a todos e dá base para participação universal. Sem essa integralidade convergente e sem essa visão holística com princípios de unicidade, as organizações tendem a serem absorvidas pela força da entropia.

Essa união e visão holística, especialmente no que se refere a fidelização comunitária, de responsabilidade corporativa, social e estratégica, não é apenas uma questão de manutenção ou de sustentação, mas essencialmente de coesão e de criação de uma consciência integradora, movida pelo respeito recíproco, pelo alma e pelo espírito das organizações, que se somam em um processo de integralidade convergente.

* Valdir R. Borba é mestre em administração e é coordenador do MBA de Gestão em Serviços de Saúde da Fundação Unimed.

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicadas refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nesta publicação.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta