Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

O que esperar em 2011 na saúde e na medicina

Publicidade

Ao final de mais um ciclo, aí está 2011. Como a cada virada de ano, renovamos nossos sonhos, expectativas, deixando no ar uma onda de esperança e de tempos melhores. No fundo, o que buscamos, é uma sociedade mais justa, com igualdade de oportunidades e respeito ao próximo. Não é muito, apenas o básico.
Falar em atender às necessidades sociais mais prementes da população nos dias de hoje, nos remete diretamente à saúde. No último pleito eleitoral, essa questão foi apontada como a principal preocupação dos brasileiros. Não é para menos. Em pleno século XXI, nossos hospitais seguem lotados, muitos sem condições adequadas de atendimento, cidadãos padecem em filas esperando por uma consulta ou sobre macas nos pronto-socorros, além de outros tantos problemas que se agravam drasticamente.
Obviamente esse é o tipo de situação que deve ser resolvida com urgência. Esperamos que os novos governantes honrem a palavra empenhada em suas campanhas, dando à saúde e ao exercício da medicina a prioridade que merecem.
É imperioso, por exemplo, que todos orientem suas bancadas de deputados e senadores a aprovar a regulamentação da Emenda Constitucional 29. Assim, teremos mais recursos para o setor e regras rigorosas para impedir desvios de verbas para outras rubricas.
É essencial também conter a abertura indiscriminada de escolas da medicina. Precisamos de bons médicos para atender adequadamente aos pacientes, sejam eles carentes ou mais abastados. Ou seja, não precisamos de quantidade, e sim de qualidade. Devemos sepultar a tortuosa tese de formar aos montes médicos para o SUS. Isso é mais uma distorção da interferência incompetente no currículo médico de bacharéis em medicina que nada sabem, de fato, de medicina.
Também é hora de discutir sobre os recursos humanos. Os gestores, tanto do sistema público quanto do suplementar, não podem mais continuar sub-remunerando médicos e profissionais de saúde. Eles têm de receber salários signos, pois são essenciais ao bom desempenho da assistência.
Enfim, mais do que tudo, precisamos, nessa nova etapa, da união de médicos, pacientes, lideranças da sociedade civil e governantes para que consigamos nosso objetivo maior, que é a humanização da saúde. Os que estão em cargos públicos têm obrigação de transformar em realidade nossos anseios e necessidades. Então, que o façam imediatamente.
*Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica
**As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicadas refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nesta publicação  
Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/#!/sb_web e fique por dentro das principais notícias de Saúde.
 
 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta