🚀 HIS 17 Última chance: Mais de 5.000 inscritos! E você? Já emitiu sua credencial gratuita Clique aqui

Novos aparelhos de ressonância magnética são testados na USP de São Carlos

Publicidade

Dois novos aparelhos estão em fase de testes pelo Grupo de Ressonância Magnética (MRI) da USP de São Carlos. O insert de cabeça, que deve ser acoplado ao tomógrafo, proporciona imagens tridimensionais, com resolução maior e isotrópica. Entre as vantagens, está a obtenção de imagens rápida para o estudo da hemodinâmica do cérebro.
Os aparelhos atualmente disponíveis não possuem essa tecnologia e não têm a mesma resolução em todas as dimensões.
Os resultados podem ser fornecidos em CD-Rom, junto a um aplicativo de visualização em três dimensões, mas o recurso ainda não pode ser aplicado clinicamente. A legislação determina que os laudos sejam feitos em chapas.
O equipamento foi instalado para testes no tomógrafo da Santa Casa de São Carlos.
O outro equipamento, o ArtroToRM, é mais compacto e mais barato que os tomógrafos tradicionais, com abertura de 20 cm, e também pode ser usado para imagens tridimensionais. A principal aplicação do ArtroToRM é para ressonância magnética de articulações.
O custo mais baixo se deve à redução da área a ser exposta ao campo magnético, que também proporciona mais nitidez nas imagens, porque as condições de imobilização são melhores.
O produto deve estar disponível para uso clínico em um ano e meio.

       
Publicidade

Deixe uma resposta

Novos aparelhos de ressonância magnética são testados na USP de São Carlos

Publicidade

Dois novos aparelhos estão em fase de testes pelo Grupo de Ressonância Magnética (MRI) da USP de São Carlos. O insert de cabeça, que deve ser acoplado ao tomógrafo, proporciona imagens tridimensionais, com resolução maior e isotrópica. Entre as vantagens, está a obtenção de imagens rápida para o estudo da hemodinâmica do cérebro.
Os aparelhos atualmente disponíveis não possuem essa tecnologia e não têm a mesma resolução em todas as dimensões.
Os resultados podem ser fornecidos em CD-Rom, junto a um aplicativo de visualização em três dimensões, mas o recurso ainda não pode ser aplicado clinicamente. A legislação determina que os laudos sejam feitos em chapas.
O equipamento foi instalado para testes no tomógrafo da Santa Casa de São Carlos.
O outro equipamento, o ArtroToRM, é mais compacto e mais barato que os tomógrafos tradicionais, com abertura de 20 cm, e também pode ser usado para imagens tridimensionais. A principal aplicação do ArtroToRM é para ressonância magnética de articulações.
O custo mais baixo se deve à redução da área a ser exposta ao campo magnético, que também proporciona mais nitidez nas imagens, porque as condições de imobilização são melhores.
O produto deve estar disponível para uso clínico em um ano e meio.

       
Publicidade

Deixe uma resposta