Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Neomater divulga projeto de humanização

Publicidade

“Onde você exerce o seu direito de ser mãe” é o slogan da campanha que o Hospital e Maternidade Neomater lançou ontem em São Bernardo e Santo André. A campanha, que terá 15 outdoors, faz parte de um amplo projeto para humanizar o atendimento, que começou a ser aplicado em janeiro na maternidade e vai englobar todos os serviços do hospital. Na maternidade, os pais já aprendem a cuidar do recém-nascido antes mesmo da alta e, em casa, podem ligar a qualquer hora para o berçário para tirar dúvidas. O pai pode assistir parto simples e, em caso de bebê prematuro, a mãe pode ser a ‘incubadora natural’ da criança. Se a dificuldade é amamentar, a mãe tem à disposição toda uma equipe multidisciplinar especializada neste importante processo. Para adotar o novo conceito, o Neomater investe desde o ano passado em treinamento contínuo de todos os colaboradores, do atendente do estacionamento, equipe de limpeza, recepcionista ao médico intensivista. O objetivo é resgatar a sensibilidade humana para um melhor atendimento. No caso da maternidade, o programa quer tornar o nascimento do bebê em um momento de felicidade e de confraternização e não de dor. “Modernização e sentimento humano têm de caminhar juntos, portanto precisamos voltar às nossas raízes e investir na essência, que é acolher a pessoa”, defende o pediatra Roger Brock, médico chefe do Serviço de Neonatologia e do Pronto-Socorro Pediátrico do Neomater, também colaborador e autor de vários livros voltados à especialidade.
O pediatra Roger Brock conta que a queda do vínculo mãe-filho teve início no século XIX, com a grande incidência da febre puerperal, que exigiu a separação do recém-nascido e a mãe para evitar eventual contaminação. Segundo Roger Brock, além de o problema estar há muito tempo sanado, os índices de infecção hospitalar vêm caindo.
“Hoje há uma preocupação mundial em resgatar o vínculo e é neste sentido que estamos dando nossa contribuição, o de tornar o hospital amigo da criança”, completa o médico ao lembrar que quanto mais humano for o atendimento mais chances o paciente tem de se recuperar.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta