Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Negociações acirradas na saúde

Publicidade

Após 10 meses do início da crise mundial, uma grande parcela das operadoras de saúde e as empresas irão negociar os reajustes médicos. Os planos propõem reajustes que variam, em média, de 8,4% a 10,2% – podendo ser menor ou maior conforme a sinistralidade, ou o uso dos serviços, dos clientes. Porém, até ontem a expectativa do mercado era de que as operadoras concordassem em dar reajustes menores aos propostos inicialmente. Mas, de acordo com a Aon Consulting, com as mudanças da ANS anunciadas ontem os planos de saúde serão muito menos flexíveis.

De acordo com a Fenasaúde, os reajustes eram negociados conforme a necessidade de cada companhia e operadora. Com a nova regra da ANS, que valerá a partir de 15 de agosto, as operadoras e seguradoras não poderão mais impor dois tipos de reajustes: um médico (calculado com base nos custos médicos e normalmente aplicados em julho) e um técnico (baseado no índice de sinistralidade de cada empresa e aplicados duas vezes por ano).

Até o início deste ano, algumas companhias, com grande número de funcionários, conseguiram evitar reajustes pesados. Por exemplo, o McDonald”s com 30 mil funcionários conseguiu que os reajustes de 12% da Medial, e de 9% da Bradesco Saúde não fossem repassados.

A Bradesco Saúde tem proposto aumento no percentual da co-participação do beneficiário ou diminuir a abrangência do plano. No primeiro trimestre, a sinistralidade da seguradora foi de 82% contra 75% do mesmo período do ano passado.

*Com informações do Valor Econômico

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta