HIS17 Já emitiu sua credencial gratuita para o HIS '17? Quero! Agora!

MV e Unimed Sorocaba avançam para o Hospital Digital

Publicidade

A conquista da certificação EMRAM da HIMSS Analytics, maior associação de informática em Saúde do mundo, faz parte do objetivo de muitos hospitais. Alcançar o estágio máximo da certificação, porém, não é tarefa simples. Na América Latina, a única unidade de Saúde que atingiu o nível 7 foi o Hospital Unimed Recife III. No entanto, a expectativa é que ainda este ano outro cliente MV alcance essa meta: o Hospital Dr. Miguel Soeiro, da Unimed Sorocaba.

Com 200 leitos, uma média de 33.036 atendimentos mensais e cerca de 1.000 profissionais utilizando as soluções MV diariamente, o Hospital Dr. Miguel Soeiro conquistou o nível 6 da certificação após um intenso trabalho realizado com apoio da MV ao longo de quatro meses. Apesar de conseguir, com a certificação, ingressar no grupo de elite que na América Latina engloba apenas 13 instituições de Saúde, o hospital pretende elevar ainda mais o seu patamar tecnológico.

Segundo o diretor administrativo, Edson Paulossi, “aprimorar processos assistenciais visando a segurança do paciente é um desejo antigo da instituição e fazer com que isso chegue à beira do leito é ainda maior. Como encontramos na HIMSS as ferramentas necessárias para chegar com sucesso a esse objetivo, daremos continuidade ao nosso trabalho de implementação de soluções e processos para evoluir o nosso padrão e alcançar o estágio de Hospital Digital”.

Para isso, a instituição contará novamente com o apoio da MV para aperfeiçoar processos clínico-assistenciais, implantar por completo o Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) e promover a integração máxima da solução em todos os setores do hospital. “A MV teve importante participação na conquista do EMRAM 6. Além da qualidade do produto da empresa, houve uma união entre os profissionais da MV e a equipe do hospital que superou a nossa parceria cliente-fornecedor iniciada em 2009”, comentou Paulossi. Ainda de acordo com ele, “se não fosse a MV, o hospital não chegaria a esse nível e seria mais difícil seguir adiante nessa evolução tecnológica e assistencial”.

 

       
Publicidade

Deixe uma resposta