💼 HIS17 Ministro da Saúde, Ricardo Barros, confirma presença no encerramento. Emita sua credencial gratuita

Mudança de nome reduz preconceito da hanseníase

Publicidade

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Brasília (UnB) mostra que o abandono do nome “lepra”, na década de 70, e sua gradativa substituição pela palavra “hanseníase”, teria reduzido o preconceito social existente sobre a enfermidade e fez com que as pessoas procurassem tratamento. Para a pesquisadora da UnB, Maria Bernadete Moreira, 30 anos é um período historicamente curto, porém já se pode notar acentuada redução do preconceito em relação aos portadores de hanseníase, e as pessoas mais jovens aceitam melhor a convivência com os doentes.
A mudança de nomes também foi fundamental para quebrar preconceitos, mas ainda existem dificuldades no relacionamento com pessoas mais velhas, e ainda há quem se afaste do portador de hanseníase. A pesquisadora acrescenta que as campanhas nacionais do Ministério da Saúde têm contribuído para melhorar o quadro da doença no país.

       
Publicidade

Deixe uma resposta