Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Ministério seleciona instituições para pesquisas com células-tronco

Publicidade

O Ministério da Saúde concluiu a seleção das instituições que atuarão como centros-âncora do estudo nacional que vai avaliar a eficiência do uso das células tronco autólogas (do próprio paciente) no tratamento de doenças cardíacas graves. Foram selecionados o Instituto Nacional de Cardiologia de Laranjeiras (do Rio de Janeiro), o Instituto do Coração da Universidade de São Paulo (Incor) e o Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O objetivo do estudo é articular e ampliar os resultados já obtidos em pesquisas isoladas e verificar a viabilidade da substituição das cirurgias cardíacas tradicionais pela nova técnica.
O estudo sobre a terapia celular é parte de parceria firmada em setembro entre os ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia para incentivar pesquisas na área de saúde. O acordo prevê investimentos de R$ 57 milhões (a serem liberados ainda em 2004) do orçamento do Ministério da Saúde, que serão destinados a pesquisas científicas que possam melhorar as condições de saúde da população brasileira. O acordo prevê o incentivo a cerca de 350 projetos de pesquisa ? entre eles, os de células-tronco.
Cada um dos centros ficará responsável pelos estudos sobre uma cardiopatia específica. O Instituto de Laranjeiras, além de centro-âncora, coordenará o trabalho dos demais e será responsável pelo estudo com pacientes portadores de cardiopatia dilatada; o Instituto do Coração coordenará a pesquisa com pacientes com doença isquêmica crônica do coração; e o Instituto de Ciências Biomédicas ancorará o estudo sobre uso das células-tronco em pacientes que sofreram infarto agudo do miocárdio. Nenhuma instituição foi qualificada para atuar como centro-âncora da modalidade de cardiopatia chagásica, mas o Ministério da Saúde está buscando alternativas para desenvolver essa parte do estudo.
Todo o trabalho de pesquisa levará até três anos para ser concluído e está orçado em cerca de R$ 13 milhões ? R$ 5 milhões deverão ser liberados ainda este ano. Devem participar do projeto 1,2 mil pacientes. Eles serão divididos em grupos, de acordo com a doença cardíaca. Em cada um dos grupos, a metade receberá o tratamento tradicional e a outra parcela, injeções de células-tronco retiradas da medula óssea do próprio paciente.
O centro coordenador (Laranjeiras) será responsável pela seleção dos pacientes, monitoramento, assessoria técnica, criação e manutenção da base de dados, além da seleção e acompanhamento dos avaliadores externos no processo de avaliação dos resultados. Haverá também uma comissão coordenadora; quatro centros-âncora; e diversos centros colaboradores vinculados aos centros-âncora.
Após a seleção, as instituições qualificadas em cada modalidade de cardiopatia apresentarão o projeto específico da sua patologia, conforme protocolo pré-definido e com os requerimentos particulares de cada instituição proponente.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta