Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Ministério muda critério para transplante de fígado

Publicidade

O Ministério da Saúde vai modificar o critério de ordem da fila de espera para transplante de fígado. Será levado em consideração o estado de gravidade do paciente e não mais o tempo de espera na fila, critério utilizado desde 1998. Isso significa que quando houver um órgão disponível, os pacientes que terão prioridade para recebê-lo serão aqueles que apresentarem o quadro clínico mais grave.
A alteração entrará em vigor em dois meses – tempo suficiente para treinamento dos profissionais que trabalham com transplante de fígado e mudanças no sistema informatizado de dados e de acompanhamento das filas. Para determinar o estado de gravidade do paciente, o Ministério da Saúde usará o sistema denominado Meld/Peld. O sistema, que já é utilizado nos Estados Unidos, permite determinar a expectativa de vida de um paciente na lista de espera. O resultado é um número de 6 a 40, do menor risco ao mais grave.
Pelo sistema aprovado, pacientes com Meld superiores terão prioridade de atendimento. De 15 para baixo, o transplante imediato deixa de ser recomendado (situação de 61% da lista atual). Os pacientes, então, passarão por testes periódicos, e seu lugar na fila será determinado com base nesses resultados.
Para realizar a alteração do critério de espera para transplante de fígado, o Ministério da Saúde se embasou em estudo que mostrou que 61% dos 6,2 mil pacientes que estão na fila não têm indicação para receber imediatamente o transplante. São pessoas com quadro clínico muito precoce.
Nestes casos, a cirurgia seria mais perigosa do que a própria doença. O estudo foi realizado pelo Ministério da Saúde, em parceria com as Centrais Estaduais de Transplantes, de novembro de 2004 a janeiro deste ano. Além da realização desta análise, o Ministério da Saúde levou em consideração sugestões de ONG´s, Associações Civis e Ministérios Públicos Estaduais e Federal, quanto à utilização de outros critérios para distribuição de fígado, relacionados à situação de gravidade do estado clínico dos pacientes em lista e não somente no tempo em lista de espera.
A fila por um fígado hoje tem cerca de 6,2 mil pessoas, com espera que pode chegar a 51 meses. Sem os 60% que não precisam imediatamente do transplante, esse número cai para cerca de 2.300.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta