Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Ministério investe para agilizar cirurgias de média complexidade

Publicidade

Como parte da Política de Procedimentos Cirúrgicos Eletivos de Média Complexidade – que tem por objetivo identificar e reduzir ao máximo a fila de espera por esses procedimentos – o ministro da saúde, Humberto Costa, assinou uma portaria que amplia o acesso dos 1.493.080 habitantes dos 30 municípios da macro-região de Goiânia às cirurgias eletivas. Antes da portaria, a população dessas cidades contava apenas com os mutirões para cirurgias de catarata, varizes, próstata e retinopatia diabética. Com a assinatura da portaria, os cidadãos também terão acesso a outros 22 procedimentos, incluindo operações de amídala, vesícula, hérnia, hemorróida, artroscopia de joelho, adenóide e as ginecológicas, como miomectomia e colpoperineoplastia. Para isso, entre outubro deste ano e março de 2005 serão repassados do Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (Faec) do Ministério da Saúde para o Fundo Municipal de Saúde de Goiânia recursos adicionais que podem chegar a R$ 746,5 mil ou uma média mensal de R$ 124,4 mil.
A nova política, que irá investir em todo o país R$ 404 milhões (R$ 177 milhões a mais que o gasto em mutirões em 2003), tem os seguintes objetivos: reduzir fila de espera; aumentar a resolubilidade da atenção básica; ampliar a oferta e melhorar a qualidade dos serviços; estruturar a rede de serviços, permitindo cuidados integrais de saúde; organizar o sistema local; aumentar a autonomia dos gestores; co-responsabilizar os gestores em relação ao controle e avaliação dos procedimentos.
O programa também estabelece que, cabe aos municípios habilitados na Gestão Plena do Sistema Municipal com mais de 50 mil habitantes e aos governos estaduais o envio ao Ministério da Saúde de projetos incluindo novos procedimentos cirúrgicos. Os projetos também deverão informar a demanda existente e estabelecer metas físicas compatíveis com o total de recursos financeiros programados por estado.
Além disso, os gestores terão de se responsabilizar pela qualidade das cirurgias e do pré e pós-operatório. Cabe ao Departamento de Atenção Especializada (DAE) do Ministério da Saúde a análise desses projetos, que, se aprovados, terão seis meses para ser executados pelos gestores estaduais e municipais. Após esse prazo, os gestores poderão enviar novo projeto ao Ministério da Saúde com os procedimentos que desejarem oferecer à população.
Os municípios goianos beneficiados com a nova política são: Abadia de Goiás; Anicuns; Avelinópolis; Bela Vista de Goiás; Bonfinópolis; Brazabrantes; Campestre de Goiás; Cristianópolis; Goiânia; Goiandira; Guapo; Nazário; Nerópolis; Nova Veneza; Santa Bárbara de Goiás; Santo Antônio de Goiás; Trindade; Cezarina; Indiara; Jandaia; Varjão, Araçú; Caturaí; Damolândia; Inhumas; Itaguari; Itauçú; Petrolina de Goiás; Santa Rosa de Goiás; Taquaral de Goiás.
As instituições que realizarão os procedimentos são: Hospital das Clínicas; Hospital Geral Dr. Alberto Rassi; Santa Casa de Misericórdia; Hospital Angélica; Hospital e Maternidade Vila Nova; Hospital Goiânia Leste; Hospital Monte Sinai; Hospital e Maternidade Santa Bárbara; Hospital Santa Catarina; Hospital Santa Rosa; Maternidade e Hospital São Judas Tadeu; Hospital Maria Auxiliadora; Hospital São Domingos; Hospital Ortopédico de Goiânia; Hospital Coração de Jesus; Hospital Santa Lúcia; Hospital e Maternidade Cidade Jardim; Hospital da Criança; Clínica Infantil de Campinas; Pronto-Socorro Infantil de Goiânia.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta