💼 HIS17 Ministro da Saúde, Ricardo Barros, confirma presença no encerramento. Emita sua credencial gratuita

Melhores resultados através de sistema de informações de saúde

Como em qualquer outra área, no setor da saúde a informação deve ser entendida como uma diminuição das incertezas, um instrumento para detectar focos prioritários, levando a um planejamento responsável e a execução de ações que condicionem a realidade às transformações necessárias, aproveitamento melhor as informações disponíveis, de forma a auxiliar efetivamente o processo de decisão.

Dessa forma, é preciso pensar em sistemas que integrem dados tanto dos pacientes quanto dos serviços de saúde, como: do próprio hospital, clínicas e consultórios além de laboratórios, e ainda os dados administrativos como número de leitos, estoques farmacêuticos e até equipe profissional.

Na área da saúde o olhar correto sobre as informações coletadas proporciona uma visão global que dinamiza a gestão, trazendo inúmeros benefícios para pacientes, colaboradores e para a própria ciência – além de tomadas de decisão muito mais assertivas administrativamente, que minimizam ou evitam riscos desnecessários.

Os sistemas de informações em saúde tornam-se indispensáveis, pois na grande maioria das empresas que utilizam sistemas informatizados, há muitos dados que estão à disposição, mas esses dados por si não podem ser utilizados no processo de tomada de decisões sem antes passar por um processo de conversão, fazendo com que se tornem efetivamente informações. É nesta etapa onde os sistemas de informações gerenciais atuam, compilando estes conjuntos de dados em informações processadas.

Sistema de Informação de saúde

A definição de “sistema” pelos dicionários*, inclusive na nomenclatura médica, é de várias partes que trabalham juntas visando um objetivo ou função em comum. Em um sistema de informação o objetivo é que este trabalho conjunto gere um fluxo mais confiável e menos burocrático das informações.
Os sistemas de informação em saúde são instrumentos padronizados de monitoramento e coleta de dados*1, que tem como objetivo o fornecimento de informações para análise e melhor compreensão de importantes problemas, subsidiando a tomada de decisões. Suas principais vantagens são:

  • Interoperabilidade entre os sistemas;
  • Racionalização de processos;
  • Identificação de gargalos no fluxo de trabalho e melhoria no atendimento aos pacientes;
  • Redução de custos operacionais e administrativos e ganho de produtividade;
  • Mais integridade e confiabilidade da informação;
  • Mais estabilidade;
  • Mais segurança de acesso à informação;
  • Otimização do fluxo de informação permitindo mais agilidade e organização;
  • Informações de melhor qualidade, essenciais para uma boa tomada de decisão;

Big Data e Análise de Dados

Outro recurso que todas as organizações podem se beneficiar com o sistema de informações de saúde é a abordagem baseada em dados utilizando-se do conceito de Big Data. Ele, em conjunto com a análise de dados, permite o acompanhamento em tempo real através de painéis de controle com indicadores de performance e gestão clínica, os famosos KPI´s e scorecards, análise de dados clínicos para aprimorar a qualidade no atendimento, pesquisas médicas, sumários automatizados das altas médicas e a ampliação da segurança dos registros médicos.

Estes painéis clínicos fornecem dados como dashboards transacionais especializados para cada área clínica, incluindo diagnóstico, observações, questionários, pedidos, alergias, alertas, histórico do paciente, problemas, notas clínicas, resumos clínicos e imagens anotadas.

Ou seja, é um grande ganho para todos, sejam eles gestores, médicos ou pacientes. Todos são beneficiados.

* Dicionário escolar da língua portuguesa, Caldas Aulete. Ed. Lexikon

*1 Biblioteca Virtual em Saúde do Governo Federal
       

Deixe uma resposta