Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Limter entra no mercado hospitalar e adota estratégia de gestão

Publicidade

Com o objetivo de focar em seu core-business, as instituições de saúde têm buscado parceiros direcionando áreas como lavanderia, segurança predial, manutenção e limpeza para as empresas especializadas em terceirização de serviços. Nos últimos cinco anos, o negócio cresceu e permitiu que hospitais e clínicas priorizassem recursos, espaço, funcionários e a própria gestão na atividade fim, que é a assistência à saúde. A estratégia deu certo e ganhou mercado, no entanto, a discussão em torno da viabilidade econômica em contratar serviços terceirizados, qualidade, demanda, grau de satisfação, administração de pessoal terceirizado, entre outros têm sido constantemente discutidas. Se os serviços indiretos dão mais tranqüilidade e proporcionam economia para as instituições, já que não há vínculo empregatício com os prestadores de serviço, além da eliminação dos encargos sociais, uma questão pouco falada e que tem preocupado quem contrata é a co-responsabilidade em casos de processos judiciais. Muitas empresas de terceirização, quando não recolhem seus tributos trabalhistas, nem pagam salários e verbas rescisórias, os seus clientes são co-responsáveis, juridicamente a quitar essas dívidas.
Segundo Sérgio Acunzo, gerente comercial da Limter, esse fator não deve intimidar estas instituições de saúde a contratar serviços terceirizados, mas reforça a necessidade de conhecer melhor a organização que oferta estes serviços. ?Se a empresa que terceiriza os serviços desaparece ou se recusa a quitar os débitos com seus funcionários, o cliente acaba sendo acionado?, explica.
Acunzo explica que a Limter adotou como procedimento interno, a apresentação de planilhas abertas de acompanhamento, encaminhada junto às notas fiscais, para seus clientes, além dos comprovantes das guias de recolhimento de impostos dos funcionários. O objetivo, segundo o executivo, é que o cliente conheça e acompanhe todo o desenvolvimento operacional da empresa. ?Dificilmente as empresas do mercado têm feito isso. Nosso cliente sabe exatamente quanto ganha um funcionário, quais são os benefícios que oferecemos e quais os valores direcionados a isso?, conta.
Os benefícios gerados pela ação, segundo Acunzo, é que o cliente passa a entender que não existe mágica no negócio, ampliando os canais de comunicação e confiança. ?Automaticamente ele descarta os milagreiros, que muitas vezes oferecem serviços estranhamente abaixo de qualquer valor do mercado ? mas que na verdade, acarreta futuros problemas para a instituição?, afirma. Para evitar riscos futuros, ele conta que a exigência das guias de recolhimento pode ser uma garantia para a instituição de saúde. Outra dica do gerente, é acompanhar se os produtos utilizados na limpeza dos hospitais são adequados ao ambiente.
A Limter apresentará esta semana (27 e 28 de outubro), durante a feira do Fórum Europeu, evento realizado pela Câmara Alemã, em São Paulo, o novo modelo de gestão adotado pela empresa, além de oficializar a entrada no mercado hospitalar. ?Esse é um importante mercado para nossa estratégia de negócio?, ressalta. Para 2005, a Limter espera ampliar seu crescimento, e ultrapassar o índice de 20% conquistado em 2004.
Serviço:
Limter, tel: (11) 5084-4700, www.limter.com.br
Fórum Europeu, da Câmara Alemã
27 e 28 de outubro, no Centro de Exposições Transamérica
tel: (11) 5181-7013, 5187-5199

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta

Limter entra no mercado hospitalar e adota estratégia de gestão

Publicidade

Com o objetivo de focar em seu core-business, as instituições de saúde têm buscado parceiros direcionando áreas como lavanderia, segurança predial, manutenção e limpeza para as empresas especializadas em terceirização de serviços. Nos últimos cinco anos, o negócio cresceu e permitiu que hospitais e clínicas priorizassem recursos, espaço, funcionários e a própria gestão na atividade fim, que é a assistência à saúde. A estratégia deu certo e ganhou mercado, no entanto, a discussão em torno da viabilidade econômica em contratar serviços terceirizados, qualidade, demanda, grau de satisfação, administração de pessoal terceirizado, entre outros têm sido constantemente discutidas. Se os serviços indiretos dão mais tranqüilidade e proporcionam economia para as instituições, já que não há vínculo empregatício com os prestadores de serviço, além da eliminação dos encargos sociais, uma questão pouco falada e que tem preocupado quem contrata é a co-responsabilidade em casos de processos judiciais. Muitas empresas de terceirização, quando não recolhem seus tributos trabalhistas, nem pagam salários e verbas rescisórias, os seus clientes são co-responsáveis, juridicamente a quitar essas dívidas.
Segundo Sérgio Acunzo, gerente comercial da Limter, esse fator não deve intimidar estas instituições de saúde a contratar serviços terceirizados, mas reforça a necessidade de conhecer melhor a organização que oferta estes serviços. ?Se a empresa que terceiriza os serviços desaparece ou se recusa a quitar os débitos com seus funcionários, o cliente acaba sendo acionado?, explica.
Acunzo explica que a Limter adotou como procedimento interno, a apresentação de planilhas abertas de acompanhamento, encaminhada junto às notas fiscais, para seus clientes, além dos comprovantes das guias de recolhimento de impostos dos funcionários. O objetivo, segundo o executivo, é que o cliente conheça e acompanhe todo o desenvolvimento operacional da empresa. ?Dificilmente as empresas do mercado têm feito isso. Nosso cliente sabe exatamente quanto ganha um funcionário, quais são os benefícios que oferecemos e quais os valores direcionados a isso?, conta.
Os benefícios gerados pela ação, segundo Acunzo, é que o cliente passa a entender que não existe mágica no negócio, ampliando os canais de comunicação e confiança. ?Automaticamente ele descarta os milagreiros, que muitas vezes oferecem serviços estranhamente abaixo de qualquer valor do mercado ? mas que na verdade, acarreta futuros problemas para a instituição?, afirma. Para evitar riscos futuros, ele conta que a exigência das guias de recolhimento pode ser uma garantia para a instituição de saúde. Outra dica do gerente, é acompanhar se os produtos utilizados na limpeza dos hospitais são adequados ao ambiente.
A Limter apresentará esta semana (27 e 28 de outubro), durante a feira do Fórum Europeu, evento realizado pela Câmara Alemã, em São Paulo, o novo modelo de gestão adotado pela empresa, além de oficializar a entrada no mercado hospitalar. ?Esse é um importante mercado para nossa estratégia de negócio?, ressalta. Para 2005, a Limter espera ampliar seu crescimento, e ultrapassar o índice de 20% conquistado em 2004.
Serviço:
Limter, tel: (11) 5084-4700, www.limter.com.br
Fórum Europeu, da Câmara Alemã
27 e 28 de outubro, no Centro de Exposições Transamérica
tel: (11) 5181-7013, 5187-5199

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta

Limter entra no mercado hospitalar e adota estratégia de gestão

Publicidade

Com o objetivo de focar em seu core-business, as instituições de saúde têm buscado parceiros direcionando áreas como lavanderia, segurança predial, manutenção e limpeza para as empresas especializadas em terceirização de serviços. Nos últimos cinco anos, o negócio cresceu e permitiu que hospitais e clínicas priorizassem recursos, espaço, funcionários e a própria gestão na atividade fim, que é a assistência à saúde. A estratégia deu certo e ganhou mercado, no entanto, a discussão em torno da viabilidade econômica em contratar serviços terceirizados, qualidade, demanda, grau de satisfação, administração de pessoal terceirizado, entre outros têm sido constantemente discutidas. Se os serviços indiretos dão mais tranqüilidade e proporcionam economia para as instituições, já que não há vínculo empregatício com os prestadores de serviço, além da eliminação dos encargos sociais, uma questão pouco falada e que tem preocupado quem contrata é a co-responsabilidade em casos de processos judiciais. Muitas empresas de terceirização, quando não recolhem seus tributos trabalhistas, nem pagam salários e verbas rescisórias, os seus clientes são co-responsáveis, juridicamente a quitar essas dívidas.
Segundo Sérgio Acunzo, gerente comercial da Limter, esse fator não deve intimidar estas instituições de saúde a contratar serviços terceirizados, mas reforça a necessidade de conhecer melhor a organização que oferta estes serviços. ?Se a empresa que terceiriza os serviços desaparece ou se recusa a quitar os débitos com seus funcionários, o cliente acaba sendo acionado?, explica.
Acunzo explica que a Limter adotou como procedimento interno, a apresentação de planilhas abertas de acompanhamento, encaminhada junto às notas fiscais, para seus clientes, além dos comprovantes das guias de recolhimento de impostos dos funcionários. O objetivo, segundo o executivo, é que o cliente conheça e acompanhe todo o desenvolvimento operacional da empresa. ?Dificilmente as empresas do mercado têm feito isso. Nosso cliente sabe exatamente quanto ganha um funcionário, quais são os benefícios que oferecemos e quais os valores direcionados a isso?, conta.
Os benefícios gerados pela ação, segundo Acunzo, é que o cliente passa a entender que não existe mágica no negócio, ampliando os canais de comunicação e confiança. ?Automaticamente ele descarta os milagreiros, que muitas vezes oferecem serviços estranhamente abaixo de qualquer valor do mercado ? mas que na verdade, acarreta futuros problemas para a instituição?, afirma. Para evitar riscos futuros, ele conta que a exigência das guias de recolhimento pode ser uma garantia para a instituição de saúde. Outra dica do gerente, é acompanhar se os produtos utilizados na limpeza dos hospitais são adequados ao ambiente.
A Limter apresentará esta semana (27 e 28 de outubro), durante a feira do Fórum Europeu, evento realizado pela Câmara Alemã, em São Paulo, o novo modelo de gestão adotado pela empresa, além de oficializar a entrada no mercado hospitalar. ?Esse é um importante mercado para nossa estratégia de negócio?, ressalta. Para 2005, a Limter espera ampliar seu crescimento, e ultrapassar o índice de 20% conquistado em 2004.
Serviço:
Limter, tel: (11) 5084-4700, www.limter.com.br
Fórum Europeu, da Câmara Alemã
27 e 28 de outubro, no Centro de Exposições Transamérica
tel: (11) 5181-7013, 5187-5199

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta