Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Laboratório vai contar com investimento de R$ 13 milhões

Publicidade

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou hoje (1º) uma parceria entre o Brasil e Moçambique para a produção de medicamentos genéricos que auxiliem na luta contra a aids. A doação de R$ 13 milhões já foi aprovada pelo Senado Federal e o dinheiro vai servir para a construção de um laboratório no país africano, para a compra de equipamentos e a capacitação de técnicos.
“Para que eles possam produzir lá genéricos que tratam de um problema de saúde pública muito grave. Vamos colocar tecnologia brasileira desenvolvida na Fundação Oswaldo Cruz [Fiocruz]”, disse o ministro, após participar do lançamento da campanha do Dia Mundial de Luta contra a Aids.
Sobre a pesquisa divulgada hoje pela pasta, ele avaliou que os resultados são uma mostra do antagonismo vivido pela sociedade brasileira. O balanço indica que os soropositivos que vivem no país sofrem mais de problemas sociais e psicológicos do que com a ação do HIV no organismo.
Temporão lembrou que ainda há quem acredite que as pessoas com aids representam perigo e devem ficar isoladas. Dados do próprio ministério revelam que 22,5% da população brasileira acreditam que não se deve comprar frutas e legumes em locais onde trabalham soropositivos, enquanto 19% defendem que, caso um membro da família seja infectado pelo HIV, deve ser tratado fora de casa.
O ministro acredita que o problema no país não é mais a falta de informação, já que mais de 90% dos brasileiros sabem que a aids é uma doença com transmissão sexual e cerca de 80% sabem que não se pega o vírus dividindo um banheiro ou até mesmo talheres.
“O Brasil é o primeiro país em desenvolvimento a oferecer tratamento de forma universal, mas precisamos amadurecer como sociedade. O preconceito só acaba com informação, coragem e atitude”, destacou.
Para o estudante Samir Caetano Amir, portador do HIV há cinco anos, a maior dificuldade enfrentada por quem vive com a doença ainda é o preconceito, no caso dele, vindo de amigos e parentes. Amir participou da campanha contra a aids deste ano, por meio de vídeos e fotos.
“Fico feliz que a campanha deste ano seja diretamente contra o preconceito. As pessoas que vivem com aids e com quem convivo são muito empobrecidas. Que elas possam ter um pouco mais de esperança e acreditar que a visão do outro pode ser transformada.”
Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/SB_Web e fique por dentro das principais notícias do setor. 
 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta