HIS17 Já emitiu sua credencial gratuita para o HIS '17? Já são +1.800 profissionais! Clique aqui

Laboratório de células-tronco brasileiro projeta expansão internacional

Publicidade

Com o intuito de estabelecer sua presença junto ao mercado norte-americano, o Centro de Tecnologia Celular R-Crio, vem contando com o apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), de São Francisco, na Califórnia, que está auxiliando a empresa no processo de internacionalização da marca. Em operação há pouco mais de um ano, a startup tem despertando o interesse de investidores dos Estados Unidos e Canadá, após o seu fundador e presidente, José Ricardo Muniz Ferreira, ter sido convidado para apresentar um workshop sobre inovação e tecnologia, no Space Life Sciences Laboratory, da Nasa, na Flórida, no ano passado.

Muniz Ferreira e Roberto Fanganiello, geneticista e consultor científico da R-Crio, se reuniram recentemente com Ed Lee, prefeito de São Francisco e Darrell Steinberg, prefeito de Sacramento, para discutir estratégias de colaboração internacional e transferência de tecnologia. Entre os possíveis parceiros buscados pela empresa em território americano estão iniciativas privadas, universidades, centros de pesquisas e hospitais.

“O cenário de pesquisa com células-tronco na Califórnia é extremamente sólido e favorável. O estado norte-americano é líder no desenvolvimento de estudos nessa área, e há incentivos por parte do governo e das prefeituras para a instalação e operação de empresas do setor”, afirma José Ricardo Muniz Ferreira.

Baseados nos Estados Unidos até meados de março, os executivos já se reuniram ainda com o embaixador Pedro Henrique Lopes Borio, cônsul geral do Brasil em São Francisco e Thaís Olsen, vice-cônsul. Uma parceria entre a R-Crio e a empresa Integrum, que é especializada em implantes de próteses de titânio para reabilitação ortopédica também está em discussão. Em reunião com dr. Rickard Branemark, fundador e dono da companhia, Muniz Ferreira conversou sobre a possibilidade da Integrum utilizar a tecnologia da startup para aperfeiçoar a sua técnica de  ancorar próteses em ossos.

 

       
Publicidade

Deixe uma resposta