Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Kodak leva equipamentos de radiologia digital para diagnóstico em indígenas

Publicidade

Com modernos equipamentos de radiologia digital, uma equipe de médicos radiologistas e epidemiologistas inicia na próxima segunda feira, dia 05, a expedição Imagem do Javari, missão que realizará exames de diagnóstico, nos próximos dois meses, em cerca de mil índios de tribos isoladas do Vale do Javari, na Floresta Amazônica Brasileira. O objetivo é diagnosticar doenças infecciosas que ameaçam a sobrevivências dessas populações e fornecer um banco de dados às instituições de proteção ao índio, como a Funai e Funasa, para que tenham informações que contribuam para o tratamento de tribos como Matis, Marubo, Kanamari e Korubo. Por meio de um barco clínica, que irá percorrer a bacia do rio Javari, afluente do rio Amazonas, a Kodak do Brasil, patrocinadora da expedição, levará aparelhos da divisão de imagens para a saúde da empresa, como o sistema de radiografia computadorizada, Directview CR 500, e o sistema de arquivamento e comunicação de imagens DirectView PACS System 5, que irá monitorar a saúde de cerca de mil índios. Só no ano passado, mais de 20 índios morreram vítimas de hepatite. Atualmente, doenças como hepatite A, B e Delta, febre amarela, malária e tuberculose, representam um grande perigo para a extinção destas tribos. Segundo dados da Funasa a estimativa é que 70% dos 3916 índios da região estejam contaminados com a hepatite.
Para o radiologista Sérgio Brincas, idealizador do projeto, a parceria da iniciativa privada, órgãos do governo e Ongs, permitirá que o projeto tenha sucesso evitando que o índice de incidência de doenças contagiosas entre os povos indígenas aumente. ?Não queremos que isso se estenda para outros índios da região que não estejam contaminados, principalmente os isolados que tenham algum tipo de contato com outras tribos na floresta ou mesmo com homens brancos?, explica.
Brincas afirmou que o objetivo principal é fornecer e complementar o trabalho que já esta sendo oferecido pela Funasa. No caso de diagnóstico de alguma doença, o índio será tratado no local, se houver recursos. Caso contrário, ele será removido para a cidade mais próxima para receber atendimento médico adequado. Posteriormente, os índios serão acompanhados pela entidade de saúde que atendem a região. ?Não faremos o tratamento, isto vamos deixar para quem já está trabalhando há muito tempo com essa população. Nosso objetivo é rastrear as doenças que os afetam para que o tratamento e prevenção sejam facilitados?, observa. Segundo ele, não foi possível fazer um levantamento dos custos totais para a implantação do projeto, já que os valores foram muito acima dos esperados pelas dificuldades de acesso à região e a própria questão climática e de logística em transportar e manter os equipamentos.
A organizadora da expedição, Bia Boleman, especializada em expedições em desertos latino-americanos, conta que o principal desafio é em relação à logística e transporte dos equipamentos. ?Tudo o que levamos foi duplicado, já que não temos como repor peças e aparelhos no meio da expedição. Os levantamentos de custos iniciais foram superados. Montamos o projeto de forma extremamente modesta mas pela necessidade local ele se tornou muito maior?, justifica.
Os exames realizados poderão ser analisados por uma equipe clínica de Florianópolis (SC), onde o radiologista Sérgio Brincas atua, já que a tecnologia da Kodak disponibiliza o recurso de telemedicina. A transmissão das imagens será feita via satélite, por meio de um equipamento ainda inédito no País e que também é produzido pela empresa, o Directviex Pacs System, que possui o recurso Picture Archiving and Communication System (PACS). As imagens geradas e até alguns estudos clínicos serão apresentados no estande da Kodak, durante a 34ª edição da Jornada Paulista de Radiologia, que acontece de 21 a 24 de abril, no ITM-Expo, em São Paulo.
Apoiada pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) e idealizada pelo Instituto Dunas e Ventos de Expedições Médicas e Esportivas em parceria com o Departamento de Índios Isolados da FUNAI, a Expedição contará com a presença do chefe desse departamento, o sertanista Sydney Possuelo. Há mais de 30 anos na entidade, Possuelo participou nos últimos dez das mais importantes expedições de contato com índios isolados da Amazônia.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta