Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Johnson & Johnson apresenta tecnologia para análise clínica

Publicidade

A Johnson & Johnson apresenta novo método de diagnóstico de análise clínica por química seca. A metodologia, uma das mais modernas disponíveis atualmente no mundo, é a única que dispensa a utilização de água no procedimento e, é considerada a metodologia com maior grau de eficiência e precisão. Tudo isso só é possível porque no lugar dos tradicionais tubos de ensaio e lâminas, utiliza-se um pequeno “slide” que contém seis camadas com reagentes sólidos, filtros, diferentes membranas, entre outras composições, que permitem a análise de mais de 60 parâmetros da bioquímica, para os principais tipos de exames, como colesterol, triglicérides, enzimas hepáticas, drogas terapêuticas, entre outros.
Essa tecnologia recebe o nome de reflectância, cuja análise laboratorial ocorre por meio de uma reação química da luz. Toda a linha de equipamentos é denominada VITROS, com três modelos distintos classificados conforme a capacidade de operação por hora: VITROS 950 (900 análises/hora); VITROS 250 (250 análises/hora) e VITROS DT (100 análises/hora). “Os reagentes ficam dispostos em multicamadas no slide, do tamanho de um selo postal.
Quando o material colhido é introduzido no equipamento, inicia-se o processo químico, no qual ocorre uma reação padrão. Automaticamente, a luz incide diretamente no fundo do slide e é transformada em leitura de voltagem que gera o resultado da análise solicitada”, explica a gerente de produto, da Johnson & Johnson Produtos Profissionais Estela Barão. A empresa é detentora desta tecnologia exclusiva que foi desenvolvida pela Kodak.
Cada slide é de uso único e, como dispensa o uso de água potável na manipulação dos reagentes, pois estes já estão dispostos em multicamadas, facilita e agiliza todo o processo e sobretudo, reduz riscos de contaminação. Outro diferencial é a elevada precisão do método por química seca. O tempo para a realização do exame também é bem menor: varia de dois a sete minutos, em média. Na química líquida, este tempo é superior a 10 minutos.
A tecnologia é validada pelo FDA – Food and Drugs Administration e já vem sendo utilizada em muitos países, como Estados Unidos, França Alemanha, Espanha, Itália, Inglaterra, Portugal, entre outros, incluindo o Brasil, desde 1992.
Além da alta tecnologia e da segurança que esse tipo de análise oferece, a química seca não exige equipe altamente especializada, fato que se reverte em economia no custo final de todo processo, principalmente se consideradas outras vantagens, como: a não utilização de água filtrada para a composição dos reagentes; menos tempo de análise e maior capacidade de resultados por hora trabalhada; alta precisão que elimina a repetição das análises; a padronização dos resultados; maior segurança no ambiente de trabalho; além de não exigir a calibragem do equipamento diariamente como acontece no sistema convencional, o que economiza tempo, já que este processo se dá apenas duas vezes ao ano, entre outras vantagens.

Serviço:
Johnson & Johnson, tel: (11)0800787865

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta