Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Inovação na Medicina são principais desafios do País

Publicidade

Com a ameaça de volta da CPMF (Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira), que tem como principal destino o investimento em saúde pública, retorna a discussão sobre como investir nesta área e se o problema realmente é financeiro. O tributo foi cobrado por dez anos e a melhora nas condições de saúde dos brasileiros foi muito pequena.

O Brasil investe hoje apenas 3,5% do PIB (Produto Interno Bruto) em saúde, quando, para melhorar o atendimento do SUS (Sistema Único de Saúde), estes recursos deveriam ser de pelo menos 6% da arrecadação do País. Porém, a falta de verba não é o único problema que atinge a saúde brasileira.

Além da falta de recursos do Governo Federal, os Estados que defendem a volta da CPMF não investem no setor o valor determinado pela Constituição, que é de 12% da receita. De acordo com um balanço do Ministério da Saúde, 13 Estados não atingiram este índice em 2008. Assim, Ceará, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraíba, Piauí e Rio Grande do Sul, cujos governadores eleitos defendem a volta do imposto, não fizeram a sua parte.

A gestão e a economia da saúde ainda são temas pouco estudados e um número ínfimo de instituições destinam corretamente seus recursos. O primeiro passo para melhorar o atendimento às pessoas é entender o perfil da população e que tipo de tratamento é necessário em cada caso.

O avanço da medicina diagnóstica já possibilita determinar com precisão o tipo de doença em cada paciente e qual o tratamento mais indicado. Já existem, inclusive, testes disponíveis no mercado que cumprem com eficiência esta função. Vamos pegar como exemplo casos de Trombose. Com um exame simples (Dímero D), é possível fazer a exclusão de casos da enfermidade. Assim, evita-se que aquele paciente que está no Pronto Socorro com suspeita de Trombose Venosa Profunda, realize exames de imagem de alto custo, além de ocupar um leito, que também gera gastos elevados e, ainda, passe a utilizar medicação muitas vezes desnecessária.

Embora disponível e acessível, o Dímero D ainda é pouco utilizado na rede de saúde. Sua aplicação impactaria com uma redução significativa de custos, tanto no particular quanto no sistema público. No entanto, a falta de informação ainda é uma barreira forte na gestão. Apesar de lidarmos com vidas humanas, as ações ainda são burocráticas e engessadas.

Diante do avanço na precisão de diagnósticos, também é preciso que as instituições de saúde, incluindo o SUS, os hospitais privados e os convênios médicos tornem-se mais flexíveis para modernizar e atualizar a lista de exames oferecidos. Quando não há substituição, mas somente inclusão de novos exames, novamente, eleva-se o custo de investimento, já que os diagnósticos ficam ultrapassados.

Outro fator que impacta diretamente no modelo de gestão da saúde é o aumento do número de idosos. Com uma expectativa de vida média de 70 anos, o papel da medicina preventiva assume uma função determinante na qualidade de vida oferecida a estas pessoas. Chamada de medicina Anti Aging, consiste em realizar uma terapia personalizada para corrigir desequilíbrios do organismo, melhorando a qualidade de vida e diminuindo os custos com a assistência médica.

Com esta nova diretriz da medicina geriátrica, a precisão dos exames diagnósticos é essencial para o sucesso do tratamento. Quando os gestores da saúde perceberem que os tratamentos preventivos, em qualquer idade, são mais eficientes e baratos que a descoberta da doença em estágio avançado, talvez o sistema de saúde brasileiro olhe para as inovações que a indústria de diagnósticos oferece.

*Rafael Abdel, gerente de produto da HORIBA, multinacional japonesa líder em hematologia no mercado brasileiro.

**As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicadas refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nesta publicação

Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/#!/sb_web e fique por dentro das principais notícias de Saúde.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta