HIS17 Já emitiu sua credencial gratuita para o HIS '17? Já são +1.800 profissionais! Clique aqui

Inatel apresenta soluções na Hospitalar 2017

Publicidade

O Inatel, instituição de ensino, pesquisa e tecnologia do sul de Minas Gerais, estará na Hospitalar 2017. Esta é a quarta vez que o Inatel participa da feira, oferecendo os serviços educacionais, de consultoria e desenvolvimento na área de Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica.

Há 14 anos, o Inatel atua na área de tecnologia para a saúde. Começou com a pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica, oferecida em Santa Rita do Sapucaí, Belo Horizonte e também no Rio de Janeiro, que iniciou a primeira turma este ano em parceria com o hospital da Força Aérea do Galeão. A instituição foi uma das pioneiras no Brasil a oferecer graduação em Engenharia Biomédica – a primeira turma começou em 2010 – e, desde então, centenas de profissionais são colocados no mercado. Cerca de 80 alunos irão visitar a feira nos dias 18 e 19 e muitos estão aptos a estagiar em empresas e hospitais. “A feira é uma excelente oportunidade para os alunos acompanharem o que há de mais moderno na área hospitalar e fazer networking”, afirma o coordenador do curso de Engenharia Biomédica, Fabiano Valias de Carvalho.

Game para reabilitação

Um game para reabilitação desenvolvido por alunos do Inatel vai ser apresentado na feira Hospitalar no stand da empresa APX. O jogo Armotion é para ser utilizado com o Armon Endero, suporte mecânico de braço de fabricação internacional e representado no Brasil pela APX. O projeto, que integra o Centro de Desenvolvimento e Transferência de Tecnologia Assistiva (CDTTA) do Inatel, dá estímulo de movimentos de alcance para pessoas com dificuldade de sustentação do braço. O jogo oferece ainda ao fisioterapeuta acesso a todo feedback do que foi executado pelo paciente. “A expectativa é grande para a apresentação de um projeto desenvolvido por nós em uma feira de tanta importância como a Hospitalar. O game ainda é um protótipo, mas vamos continuar os ajustes para que ele seja utilizado na reabilitação de pessoas”, disse Matheus Bernardes, aluno de Engenharia de Controle e Automação.

       
Publicidade

Deixe uma resposta