Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

HUB vai pedir R$ 3,7 milhões ao MEC

Publicidade

O Hospital Universitário de Brasília precisa de R$ 3,7 milhões para fechar as contas nos próximos três meses. O dinheiro será pedido ao Ministério da Educação, e deve pagar a folha de 600 funcionários precarizados do hospital até que a criação da Empresa Brasileira de Serviços Hispitalares (EBSERH) seja votada no Congresso Nacional. As informações do MaisComunidade, de Brasília.

A empresa será responsável por gerir todos os hospitais universitários do país e contratar os 26 mil trabalhadores precarizados nas unidades – entre eles, médicos, enfermeiros e plantonistas.

Atualmente, o HUB possui dívidas de R$ 8 milhões. Para o vice-reitor João Batista de Sousa, que assumiu a direção do hospital nesta segunda, o ponto mais crítico é a falta do pronto-socorro, fechado há três anos. O projeto para a obra ficou pronto há dez dias, e a licitação, segundo ele, deve acontecer em breve. O prazo para a finalização da construção é de 8 a 10 meses.

João também esteve na Câmara dos Deputados para participar de uma audiência pública sobre a medida provisória 520, que cria a EBSERH. Segundo o relator do processo, deputado Danilo Fortes (PMDB-CE), a expectativa é que a votação em plenário aconteça na semana que vem. O prazo final para a votação é 2 de junho.

Privatização

A diretora da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras (Fasubra), Léa Oliveira, disse que a EBSERH vai fazer a privatização dos hospitais universitáros. O vice-reitor lembrou que a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) ainda tem muitas dúvidas sobre a MP, e ainda não fechou posição.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), acredita que a MP 520 despersonifica o perfil de escola dos hospitais. Segundo ela, a empresa é uma central empresarial pública mas submetida a critérios de gerenciamento privado, sem compromisso com a vocação acadêmica.

No Rio de Janeiro, o ministro da Educação, Fernando Haddad, saiu em defesa da MP 520. Para ele, a empresa será 100% pública, 100% SUS, para auxiliar e profissionalizar a administração dos hospitais.

Os ex-diretores do HUB justificaram sua demissão por causa de divergências sobre a MP 520.

Leia mais:

Direção do HUB pede demissão coletiva

Vice-reitor da UnB assume direção do HUB

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta