Semana da Saúde 2017 Semana da Saúde: discuta os principais assuntos de Tecnologia da Informação em 10 Webinars. Reserve seu lugar! Clique aqui

Hospital Oftalmológico de Brasília desenvolve técnica cirúrgica

Publicidade

Mais de 200 mil brasileiros por ano fazem a cirurgia para corrigir a miopia e a grande maioria abandona definitivamente óculos e lentes. Mas nem todos têm o resultado esperado. Muitos pacientes não são aptos para se submeter à operação e só descobrem isso tarde demais. Esse problema pode ser evitado com uma técnica desenvolvida em Brasília pelo médico Canrobert Oliveira diretor do Hospital Oftalmológico de Brasília e representante, no Brasil, do Conselho Internacional da Sociedade Internacional de Cirurgia Refrativa. Com a teoria da Bioelasticidade, desenvolvida por Canrobert, já é possível determinar se uma cirurgia oftalmológica terá resultado satisfatório ou não. Segundo o médico, a recuperação do pós-operatório depende do tipo de composição da córnea. Algumas podem não agüentar a pressão vítrio e gera uma “barriga” – uma espécie de inchaço – que distorce a visão. “Isso explica o porquê que alguns pacientes recém operados com a mesma técnica apresentam resultados diferentes. A córnea é como as pessoas, tem características próprias, algumas são mais resistentes e outras não”, afirma o oftalmologista, que foi convidado a apresentar sua nova teoria no XIII Congresso Internacional da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, a ser realizado em junho deste ano, no Rio de Janeiro.
A técnica vai evitar que o paciente se decepcione com o resultado da cirurgia, que a cada ano se torna mais popular. Nos Estados Unidos, são 800 mil pacientes por ano. Em Brasília são operados cerca de 1 mil pacientes por mês. A cirurgia é indicada para pessoas com idade mínima de 21 anos, que estão com o grau estável há um ano, e dura, em média, apenas cinco minutos. Em geral, é realizada em pacientes que possuem de um a nove graus.
O médico Canrobert Oliveira ficou conhecido internacionalmente pelo método C- Proceduce, uma técnica cirúrgica desenvolvida para o tratamento de astigmatismo altos e irregulares. O médico desenvolveu um marcador cirúrgico que localiza o ponto certo das incisões de acordo com cada grau. O procedimento tem sido utilizado por oftalmologistas do mundo inteiro e é considerado a melhor solução para astigmatismos mais elevados porque pode, inclusive, ser utilizada em conjunto com outras intervenções cirúrgicas.
O Hospital Oftalmológico de Brasília nasceu da união entre os médicos Canrobert Oliveira e o Leonardo Akaishi. O HOB foi pioneiro na cirurgia de catarata em córnea clara e anestesia tópica no Brasil e no uso de diversas técnicas e terapias. As inovações transformaram o HOB em referência mundial na área da oftalmologia, recebendo constantemente médicos do Brasil e de outros países para reciclagem e aperfeiçoamento, além de estudantes residentes.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta