Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Hospital de Câncer de Barretos x Hospital de Base de Rondônia em uma só gestão

Publicidade

Todos os anos, milhares de pessoas de fora do Estado de São Paulo buscam tratamento nas unidades paulistas fazendo com que, a cada 30 segundos, um paciente seja atendido na rede hospitalar. É o que mostra um levantamento realizado em 2010 pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. A capital paulista, Campinas e a região de Barretos são os destinos mais procurados pelos estados para tratar seus pacientes. Uma das principais razões é a falta de acesso dos pacientes a tratamentos adequados nas cidades onde moram.

Percebendo o aumento desta demanda e a constante exposição da situação em que se encontravam os sistemas de saúde dos outros estados, o Hospital de Câncer de Barretos buscou uma solução para ajudar esta população carente e reduzir o número de pacientes que vêm em busca de tratamento em suas unidades de saúde, localizadas em Barretos e Jales, interior paulista.

?Percebemos que 40% de todo o serviço prestado pelo Hospital de Câncer de Barretos é destinado a pacientes de alta complexidade de outros estados, principalmente Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul?, afirma o diretor geral do Hospital de Câncer de Barretos, Henrique Prata.

Segundo Prata, expandir as instalações das atuais unidades do Hospital não seria suficiente para sanar a procura por tratamentos destes pacientes. ?Abrir qualquer serviço dentro do Estado de São Paulo não resultaria na redução da demanda que vem para Barretos. A partir dessa premissa, chegamos a conclusão que deveríamos agir diretamente na origem do problema e intervir?.

A primeira iniciativa para ajudar a população veio em 2010, com a criação de um serviço de diagnóstico precoce no Estado do Mato Grosso. Um conjunto de parcerias entre o Hospital de Câncer de Barretos, governo estadual, o projeto e Avon, Fachini, Instituto Ronald Mcdonald na área de pediatria e Rede TV permitiu que, antes de serem encaminhados ao hospital paulista, os pacientes tivessem todo um serviço de diagnóstico, diminuindo a incidência de casos de câncer em estágio avançado.

Em 2011, o mesmo conceito foi levado até Porto Velho, capital de Rondônia, onde, segundo Prata, a saúde  encontrava-se em estado de calamidade pública. ?Eu considero que a situação neste estado esteja pior que no Haiti e que a população está órfã de saúde. Então resolvemos encampar um projeto e assumir a gestão do Hospital de Base de Rondônia?, ressalta Prata.

O executivo explica que ao fazer o diagnóstico da instituição em Porto Velho foram encontradas graves falhas na gestão no hospital e deficiências no atendimento ao paciente. ?Para mudar isso teremos que fazer um choque de gestão lá. A gestão deles é uma medicina realizada da pior forma possível, por exemplo, um paciente é operado no Hospital de Base, após o procedimento é levado para uma instalação não apropriada, precária e sem nenhum conceito de Oncologia, lá ele faz a radioterapia em um local, a quimioterapia em outro. Então o paciente tem que passar por quatro serviços diferentes para conseguir o tratamento e nenhum deles está dentro do conceito adequado, não estando de acordo nem com as portarias do Ministério da Saúde?.

Com um serviço de Oncologia fragmentado e deteriorado, sem condições de atender toda a demanda da região, cerca de 95% dos mil casos de câncer que surgem todos os anos em Rondônia migram diretamente para Barretos para fazer tratamento, o custo dessa operação chega a R$18 milhões ao ano para os cofres públicos. De acordo com o executivo do hospital em Barretos, outro grande problema é que, devido a falta de um serviço de diagnóstico precoce, os casos de câncer vêm em estado avançado onde até um estudante de medicina do primeiro ano consegue identificar a doença.

No entanto, antes de realizar qualquer tipo de intervenção administrativa no hospital ou investir em equipamentos e tecnologia era necessário arrumar a casa. Por esse motivo, Prata, decidiu fazer um choque de gestão. ?A única coisa que eu aprendi em meus 24 anos como gestor em saúde oncológica é que a gestão de câncer deve ser obrigatoriamente multidisciplinar. Você não pode oferecer um serviço de forma isolada, tem que haver integração entre as áreas para que o paciente não tenha que passar por cada uma delas separadamente aumentando seu sofrimento?.

Uma das mudanças acordadas com o governo de Rondônia, após assumir o hospital em abril de 2011, será reformular a gestão e disponibilizar os médicos em período integral, totalmente dedicados ao hospital, ao atendimento SUS e com caixa único, da mesma forma que ocorre em Barretos. Segundo Prata, dessa forma o médico terá tempo para pesquisar, discutir e tomar atitudes multidisciplinares na conduta que for adotar, e não de forma individual. ?Essa medicina do médico decidindo tudo de forma única não existe sob minha gestão. Creio que ocorrerá um grande choque de culturas entre a atual realidade do hospital e a nova gestão a cargo do Hospital de Câncer de Barretos?.

De acordo com Prata, a mudança efetiva da gestão do Hospital de Base de Rondônia só ocorrerá após a reforma de parte do complexo, que está prevista para começar dia 20 de abril, e contará com a melhoria das instalações e novos equipamentos diagnósticos. A nova administração pretende oferecer um conceito de medicina diferente para os médicos que atenderão em período integral. ?A ideia é que o médico tenha o atendimento clínico, cirúrgico e ambiente e horário para estudo e pesquisa, troca de opiniões com colegas por meio de videoconferência com o Hospital de Câncer de Barretos, vamos criar um ambiente propício para o desenvolvimento do profissional?.

Ainda não há um orçamento definido para as reformas, mas grande parte da verba será destinada por meio de ações sociais e parcerias do hospital. ?A saúde de Rondônia está muito fragilizada e a falta de dinheiro é um dos grandes problemas?.

Além de levar qualidade ao tratamento oncológico ao estado, outro grande objetivo da nova gestão é oferecer um tratamento humanizado. ?Precisamos levar atendimento para perto da casa do paciente, o povo não é bobo, ninguém vai se cuidar em um lugar onde não se é bem tratado. A diferença de atendimento entre Rondônia e São Paulo é tão grande que os pacientes viajam três mil quilômetros só para se tratar aqui. Precisamos mudar isso e lavar a saúde para perto deles. Se eles nunca viram um milagre, então verão pela primeira vez?.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta