Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Hospital da USP inicia projeto para aprimorar atendimento no SUS

Publicidade

Promover uma mudança radical no atendimento ao usuário dos serviços públicos de saúde é o principal objetivo do projeto Cora Saúde Brasil (Coordenação de Referência no Atendimento em Saúde). A iniciativa, que será implementada no hospital universitário da Universidade de São Paulo (HU-USP), foi desenvolvida pela Netcom/VDI, especializada em soluções tecnológicas, e pelo Núcleo de Análise Interdisciplinar de Políticas e Estratégia da USP (Naippe). Ela prevê a operação de uma central de atendimento voltada à marcação de consultas, exames, internações e cirurgias para pacientes do SUS. Quando o programa estiver totalmente implantado, os pacientes que ligarem para o HU serão informados e direcionados prontamente, por telefone, sobre os locais de atendimento adequados para cada tipo de problema de saúde – postos de saúde, hospitais universitários com ambulatórios de especialidades e hospitais de referência de alta complexidade na rede pública, por exemplo. O objetivo é ordenar o encaminhamento das cerca de 100 mil ligações recebidas pelo HU mensalmente, evitando deslocamentos desnecessários. ?Nossa expectativa é iniciar a operação a partir de 2005?, afirma Sonia Cicone Liggieri, consultora e diretora executiva da Networking & Serviços, empresa especializada em Economia da Saúde.
De acordo com a executiva, a idéia é agregar novos serviços ao programa gradualmente, incluindo pesquisas de reações adversas e de epidemiologia, histórico médico, entre outros. O programa utilizará, como piloto, o perfil dos moradores da região do Butantã, na zona oeste da capital paulista, mas a proposta é levar o projeto aos demais hospitais da rede pública e particular.
Para viabilizar a iniciativa, as instituições envolvidas buscam mobilizar o setor privado. Assim, as empresas poderão participar adquirindo cotas que prevêem aportes que vão de R$ 10 mil a R$ 50 mil mensais. ?Para empresas da indústria farmacêutica, por exemplo, pode ser muito interessante, pois elas poderão ter acesso aos dados de pesquisas de reações adversas?, aponta Sonia.
A consultora explica que o projeto poderá envolver empresas de diversos setores, como fabricantes, instituições financeiras, companhias de tecnologia, provedores de serviços de call center e laboratórios. ?Apresentamos o projeto para a Embratel e ela já confirmou sua participação?, revela.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta