Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Hospital Ana Costa irá participar de pesquisa com células-tronco

Publicidade

O Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (InCor) e o Ministério da Saúde aprovaram o Hospital Ana Costa como um dos centros que participarão do estudo de aplicação de células-tronco para pacientes portadores de miocardiopatia isquêmica. O HAC é o único hospital da região a participar da pesquisa e o único hospital particular do país a integrar o projeto. São somente cinco centros de estudo em todo país, localizados em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba. A pesquisa pretende que, no futuro, seja possível transplantar apenas as células jovens para o músculo cardíaco, evitando o transplante de todo o órgão. Após passar por avaliação, feita por meio de protocolo específico, os pacientes selecionados serão submetidos ao procedimento que combinará a cirurgia de revascularização do miocárdio (cirurgia convencional) combinada com o transplante de células tronco-embrionárias (procedimento da pesquisa). Nessa cirurgia, as células do próprio paciente, depois de processadas em laboratórios específicos de imunogenética, serão reintroduzidas no músculo cardíaco e deverão transformar-se em células musculares cardíacas jovens ou vasos sanguíneos. A pesquisa intenciona provar que as células injetadas gerem novas células e vasos miocárdicos, melhorando a função global do coração e por conseguinte, o estado do paciente. Os médicos acreditam que, após a avaliação preliminar dos resultados obtidos, seja possível uma recuperação, pelo menos parcial, da disfunção cardíaca e do quadro clínico dos pacientes. Espera-se também que futuramente este procedimento possa ser realizado inclusive sem a abertura do tórax.Dr. Fernando Platania, Cirurgião Cardíaco, será o supervisor da pesquisa no HAC e trabalhará em conjunto com Prof. Dr. Luis Alberto Oliveira Dallan, supervisor da pesquisa na InCor e chefe da Cirurgia Cardíaca do HAC. Segundo Platania, a nova técnica “celebra uma nova fase no tratamento da miocardiopatia isquêmica”. O cirurgião cardíaco ressalta ainda que outros cardiologistas da região também podem encaminhar seus pacientes para participarem da iniciativa. Os demais centros de estudo envolvidos já iniciaram o processo de pesquisa, estando em fase de avaliação de resultados. A perspectiva é que a pesquisa dure cerca de três anos. Os Cardiologistas da região poderão encaminhar seus pacientes, para avaliação, para o ambulatório de Cirurgia Cardíaca do HAC através do telefone 3228-9272, ou ainda para o consultório do Dr. Fernando Platania 3224-1811A DOENÇA – A Miocardiopatia Isquêmica refratária é a dificuldade do coração em bombear sangue, ocasionada por obstruções difusas e graves das artérias coronárias, apesar das doses máximas de medicação. Esta condição além de delicada, acarreta importante prejuízo à qualidade de vida do paciente.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta