Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Hospitais como opção de lazer ?!

Publicidade

Caros,

Hospitais como opção de lazer ?! Almoçar no restaurante do seu hospital preferido ?! Um novo modelo de relacionamento com o cliente ?! Uma nova tendência de relacionamento com o cliente no setor saúde ?! Muito interessante esta matéria do Estadão ! Vale a pena conferir !

Atenciosamente,
Fernando Cembranelli
Equipe Empreender Saúde

Hospitais viram opção. De lazer e restaurante
Muitos já recebem quem mora ou trabalha perto; ontem Einstein inaugurou auditório
05 de outubro de 2010 | 0h 00

Vitor Hugo Brandalise – O Estado de S.Paulo
Em São Paulo, procurar um hospital nem sempre é sinônimo de problemas com a saúde. Entrar nesses assépticos ambientes pode significar, também, uma busca por cultura, lazer e – deixando para trás a má fama atribuída à grife “comida de hospital” – até gastronomia. Para tentar fortalecer suas marcas, hospitais estão abrindo suas portas ao público externo, com promoção de eventos e oferta de serviços de qualidade a quem mora ou trabalha nos arredores.

Epitacioo Pessoa/AE
Preferência. Sem problemas de saúde, Yolanda Yared frequenta diariamente o Bistrô do Hospital do Coração
No Hospital do Coração (HCor), no Paraíso, zona sul da capital, por exemplo, os pratos que saem da cozinha não se resumem, de forma alguma, a gelatina e sopa de arroz sem sal. No cardápio diário, há cinco saladas variadas, todo tipo de carne e até feijoada, em refeições disponíveis não somente a pacientes, acompanhantes e médicos, mas a todos que quiserem.

O Bistrô HCor, como o restaurante é chamado, já tem até clientes fiéis. É o caso da professora aposentada Yolanda Yared, de 87 anos, que almoça diariamente no HCor, mesmo sem apresentar problemas de saúde. “A comida é boa, saudável e o restaurante fica ao lado de minha casa. Triste eu fico nos fins de semana, quando ele não abre”, disse, logo após comer um prato de frango, cuscuz e salada de acelga. “Além do mais, comer rodeada de médicos dá uma tranquilidade bastante interessante a alguém da minha idade”, brinca.

O bistrô é também uma alternativa saudável, segundo clientes. “Perdi 14 quilos desde que comecei a comer aqui”, disse o advogado Natanael Marcos Lépore, de 57 anos, que trabalha a duas quadras do HCor e há um ano descobriu o restaurante. “É um ambiente de saúde, acabo me obrigando a tomar mais cuidado comigo.” Segundo a direção, 10% da clientela diária é composta por gente que nada tem a ver com os tratamentos oferecidos pelo hospital.

Na unidade Anália Franco do Hospital São Luiz, na zona leste, o cálculo é semelhante: das 3 mil refeições servidas no restaurante por mês, cerca de 300 vão para o público externo. No ano passado, o hospital contratou a grife Noah Gastronomia, do grupo Chieko Aoki, para tocar o restaurante da unidade – uma tentativa de fisgar pelo estômago um possível futuro paciente.

Novo auditório. Outra forma encontrada por hospitais para se abrir para o público é criar áreas para eventos. O mais novo espaço foi inaugurado ontem no Hospital Israelita Albert Einstein, no Morumbi, na zona sul. Trata-se de um auditório com capacidade para 500 pessoas, que, a princípio, vai receber eventos ligados à área da saúde, mas, aos poucos deve variar a programação.

“Criamos uma equipe que cuidará das apresentações a partir de 2011”, explicou o médico Claudio Lottenberg, presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. “Ainda é algo a se acertar, mas não é absurdo dizer que, no futuro, as pessoas vão procurar o auditório para ver peças de teatro.”

“Vincular saúde e cultura é algo que deve se tornar trivial. Faz parte de um entendimento amplo do que é saúde. Se o auditório será espaço irradiador de cultura, ainda é preciso decidir. Mas é certo que trará as pessoas para conhecer melhor as questões da saúde e – por que não? – se divertirem”, disse.

Outra instituição que frequentemente oferece programação cultural é o Hospital Santa Catarina, na Avenida Paulista. Toda quarta-feira, há apresentações de coral, com entrada gratuita, assistidas por até 70 pessoas.

Para especialistas, além de fortalecer a marca dos centros médicos privados, abrir os hospitais à sociedade é uma forma de diminuir a associação desses locais com a ideia de sofrimento.

“É a tendência geral de disputar pacientes, mas também serve para aliviar a ideia de que hospital é local fechado, com controle rígido de entradas e saídas, num regime severo”, disse Maria Cristina Amorim, professora da PUC-SP especialista em economia e gestão de saúde. “São medidas bem-vindas, que podem trazer um melhor entendimento dos tratamentos de saúde.” / COLABOROU VALÉRIA FRANÇA

Novo conceito
MARIA CRISTINA AMORIM ESPECIALISTA EM ECONOMIA
E GESTÃO DE SAÚDE
“Essas ações estão ligadas a aumento da rentabilidade e à busca de pacientes, que acabam conhecendo a instituição. É uma associação de marcas, nada diferente da estratégia de outras empresas. Mas ajuda a diminuir a ideia de ambiente hostil associada a hospitais.”

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta