Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Hcor apresenta técnica para tratamento de arritmia

Publicidade

Um estudo inédito desenvolvido pelo Dr. José Carlos Pachón, chefe do serviço de arritmia do Hospital do Coração, com 56 pacientes, entre 17 e 70 anos, nos últimos quatro anos, identificou a origem de dois importantes tipos de arritmias cardíacas, que podem causar aceleração ou mesmo parada dos batimentos do coração. De acordo com Pachón, a instituição desenvolveu um sistema de mapeamento eletrônico capaz de identificar os pontos de penetração dos nervos cardíacos que alteram a pulsação do coração. O mapeamento utiliza anestesia endovenosa, é totalmente indolor e não necessita de cirurgia. Por meio da punção de uma veia são passados eletrodos muito finos que permitem captar os sinais elétricos do coração. Estes sinais são tratados por equipamento específico (hardware e software), desenvolvidos pela equipe de Arritmias Cardíacas do HCor e analisados por computadores especiais, permitindo identificar os pontos no coração responsáveis pela aceleração (fibrilação atrial) e pelas paradas do ritmo cardíaco. Nestas regiões, são aplicadas ondas de rádiofreqüência que neutralizam estes nervos e eliminam os focos de arritmia, fazendo que o coração volte a bater normalmente. Geralmente são necessários somente dois dias de internação.
A descoberta brasileira, que já está sendo utilizada na França e nos EUA, beneficia diretamente dois grandes grupos de pacientes: os que sofrem com a arritmia (fibrilação atrial) que provoca aceleração dos batimentos e condena os pacientes a viver à base de medicamentos por toda a vida, assim como muitos casos que têm uma pulsação lenta e precisam utilizar marcapasso.
Segundo o especialista, os atuais tratamentos para arritmia são considerados de alto risco, pois causam extensas lesões e freqüentemente têm resultados insatisfatórios. Ele ressalta que esta nova técnica, além de ser minimamente invasiva, revelou índices de cura de 90%. Por outro lado, lembra Páchon, muitos casos de pulso lento, tonturas e desmaios de origem funcional, podem ser tratados sem a necessidade do implante de um marcapasso cardíaco, o que representa um grande benefício para os pacientes.
Os estudos desenvolvidos no Serviço de Arritmia do Hospital do Coração causaram grande impacto nos congressos mundiais, realizados recentemente nos Estados Unidos e na Europa e contribuem para colocar o Brasil na vanguarda da cardiologia mundial. A técnica consiste na utilização de um sistema de mapeamento eletrônico totalmente desenvolvido no país, que identifica os pontos de penetração de determinados nervos cardíacos responsáveis pelo batimento desordenado do coração.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta