💼 HIS17 Ministro da Saúde, Ricardo Barros, confirma presença no encerramento. Emita sua credencial gratuita

HC transfere recursos privados para ampliar SUS

Publicidade

Administrar um hospital universitário com quase 800 leitos não é tarefa fácil, já que entraves políticos e econômicos podem criar obstáculos à gestão. O fato de o Hospital das Clínicas de Porto Alegre (HCPA) ter se tornado referência no setor espelha uma trajetória de 40 anos, impulsionada principalmente pela crença na necessidade de inovação tecnológica e por um modelo diferente do adotado na maioria dos hospitais universitários do Brasil.

  e receba os destaques em sua caixa de e-mail.   

Segundo o presidente da HCPA, Amarílio Vieira Neto, o hospital foi criado como uma empresa pública de direito privado e está desvinculado administrativamente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

“Esse modelo foi pensado na década de 70. A instituição é 100% pública, tem capital público, é ligado ao Ministério da Educação e academicamente à UFRGS. Porém, 4600 funcionários são contratados em regime CLT. Outros 290 são professores e têm vínculo trabalhista com a universidade”, explica.

O serviço ambulatorial e os consultórios do HCPA atendem exclusivamente ao Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, dos 791 leitos do HCPA, 104 estão numa ala dedicada a atendimentos privados e por convênios, que correspondem a 11% das internações. Esse total gera em torno de R$ 26 milhões por ano ao hospital, recurso que, segundo Neto, é aplicado para melhorar o atendimento dos outros 89%. Com esse adicional, o hospital consegue oferecer serviços além dos contratualizados: realizam 130% a mais de consultas, 160% de cirurgias e 300% a mais de exames laboratoriais.

“Mais pacientes do SUS são atendidos, cobertos em parte pelo orçamento dos serviços privados”, diz Neto. “Conseguimos adquirir até alguns remédios que o serviço público não cobra. É uma coisa meio Robin Hood”.

Vanguarda em TI

“O HCPA tem um sistema de informática há 25 anos, quando informática em saúde nem era moda”, lembra. Segundo o presidente, o hospital foi galgando degraus por se preocupar com o prontuário do paciente, que hoje é 100% eletrônico. Os médicos também possuem assinatura digital, por meio de um crachá com chip.

Além disso, uma equipe traduz o sistema de Aplicativos de Gestão Hospitalar (AGH) do HCPA para os outros 45 hospitais universitários do Brasil. A tarefa deve ser finalizada em dois anos.

O sistema de informática desenvolvido ajuda a garantir a segurança do paciente, chave para o alcance da certificação da Joint Comission International. Para obter a aprovação, o hospital busca envolver a equipe nesse processo que, segundo Neto, é o maior tesouro do hospital. “O tempo médio do funcionário na empresa ultrapassa dez anos”, garante.

Com o surgimento de novas especialidades médicas, a instituição contratou uma consultoria para prospectar salários do mercado. Entre as especialidades que entraram no plano de cargos do HCPA, está a de engenheiro ambiental, refletindo a preocupação da instituição com a sustentabilidade.

Para alcançar uma gestão exitosa como a do HCPA, Neto sugere ser necessária uma mudança estrutural em diversas instituições.

“O modelo de hospital universitário que temos não é efetivo e o regime jurídico único não vai dar conta de enfrentar todas as demandas de um hospital terciário moderno. Somos hospitais de ensino e você não pode ensinar o profissional em uma instituição ruim”, avalia o executivo. “É impensável ter grandes corporações que pensam que estamos privatizando a saúde. O Hospital das Clínicas é público e nosso modelo deve ser pensado para a futura implantação em nossos coirmãos.”

 

Leia mais:

Nova edição dos Hospitais Referência é lançada

Veja mais:

Veja as fotos dos hospitais participantes do HR

Veja as entrevistas em webcast dos hospitais do HR

Ouça mais:

Podcast: desafio da inclusão

 Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/#!/sb_web e fique por dentro das principais notícias de Saúde.

 

       
Publicidade

Deixe uma resposta