5º CONAHP debaterá “O Hospital do Futuro: O Futuro dos Hospitais”. Faça já sua inscrição → Clique aqui

Guia prático da checagem beira leito: 3 passos fundamentais

Em torno de oito mil mortes no Brasil são decorrentes de erros de medicação. É o que aponta um estudo realizado pelo Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos (ISMP Brasil). Segundo a pesquisa, apesar de o número ser inferior ao dos Estados Unidos, que chegam a 98 mil óbitos por ano e do Canadá, 70 mil, as  falhas na administração de medicamentos devem ser um ponto de atenção nos hospitais. Um levantamento da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo aponta que 77,3% dos erros na terapia medicamentosa são relativos ao horário de administração dos fármacos, 14,4%  à dosagem, 6,1% à troca na via de administração e 0,5% à confusão de paciente.

Para auxiliar nessa questão, dando mais qualidade ao atendimento e segurança aos pacientes, muitos hospitais já fazem uso da checagem beira leito, tecnologia móvel que garante a administração correta de medicamentos, já que em seu registro há todas as informações e prescrições do paciente.

Veja, a seguir, como a checagem beira leito funciona, o que exige do corpo clínico e de que maneira ajuda a salvar vidas:

  1. Registro das informações

O primeiro passo é fazer a reconciliação medicamentosa, ou seja,  obter uma lista completa e precisa dos medicamentos de uso habitual do paciente ou que já foram prescritos em passagens por outros hospitais. O registro é feito pelos auxiliares de enfermagem por meio do Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP), que é ligado ao sistema da checagem. Depois disso, o médico deve realizar uma comparação com a futura prescrição. Isso é importante para evitar erros causados por imprecisão de informações e combinação incorreta de medicamentos. Após analisar os remédios, o médico deve prescrever novos tratamentos, de acordo com as necessidades atuais – tudo devidamente registrado.

  1. Administração dos medicamentos

Com tudo registrado, o enfermeiro sabe exatamente o que deve fazer, já que qualquer droga solicitada pelo médico será identificada pelo painel de checagem. Isso evita duplicidade ou troca de medicação e possíveis interações medicamentosas. Para a garantia da administração correta, o profissional deve seguir alguns passos. O primeiro é a checagem de que horas o fármaco deve ser administrado. Feito isso, o enfermeiro deve enviar a solicitação à farmácia clínica, que confirma no sistema se a opção está mesmo correta, evitando problemas caso algo tenha passado despercebido pelo médico, como alguma alergia do paciente ao medicamento ou dieta que o restrinja. Em seguida, deve ir à farmácia do andar, que vai separar o medicamento e mandar de volta para a enfermagem. Por fim, o enfermagem verifica novamente o horário certo e se prepara para administrá-lo ao lado do leito.

“Se esses passos forem ancorados pela tecnologia, a enfermagem tem a informação exata da medicação do paciente certo, na hora certa. É registrado no sistema, também, nome do profissional que está realizando o procedimento, o que facilita as identificações  a segurança” explica Heitor Gottberg, sócio da Folks, consultoria de TI em saúde.

  1. Liberação e registro

Em seguida, por meio do dispositivo móvel, a enfermagem bipa a pulseira do paciente, o crachá do profissional e o código de barras do medicamento. O sistema confirma se o remédio está previsto para aquele horário, liberando ou não o uso. “Depois disso, é preciso registrar o que realmente foi dado, confirmando se todos os medicamentos que estavam previstos foram corretamente administrados” completa Gottberg.

Mas, tão importante quanto a adesão da checagem beira leito, é o treinamento da equipe que vai utilizá-la. O primeiro passo é investir em ações de conscientização sobre sua importância e como isso vai mudar processos e rotina de trabalho. As pessoas têm de acreditar que a alteração é boa – tanto para os pacientes, quanto para o próprio trabalho. Feito isso, entram os treinamentos, que devem mostrar como a solução funciona na prática. “Para preparar a equipe, é essencial ter um sistema de gestão hospitalar eficiente, com bastante usabilidade e que simplifique a vida do médico e do enfermeiro, incluindo uma conectividade sem falhas e uma rede wi-fi funcionando bem” conclui Gottberg.

Entenda como a solução de gestão hospitalar pode ajudar no gerenciamento da instituição de saúde. Baixe, gratuitamente, o ebook “O que muda no seu hospital com a implantação do ERP”

       

Deixe uma resposta