5º CONAHP debaterá “O Hospital do Futuro: O Futuro dos Hospitais”. Faça já sua inscrição → Clique aqui

Grupo Fleury anuncia vencedor do III Prêmio de Inovação em Saúde

Publicidade

A terceira edição do Prêmio de Inovação do Grupo Fleury (PIF) teve como maior destaque o trabalho de Paula Waki Lopes da Rosa, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), sobre ‘Microbiota intestinal na obesidade e na anorexia: avaliação da metilação de genes implicados no eixo microbiota intestino cérebro’. Ao todo foram 15 trabalhos inscritos e, destes, cinco finalistas foram selecionados para participarem da apresentação oral para se chegar ao grande vencedor. O grande vencedor poderá receber um convite para o estabelecimento de uma parceria para codesenvolvimento do projeto, além do prêmio em dinheiro. Além disso, dois pesquisadores receberam menção honrosa.

Este ano, as pesquisas deveriam ser voltadas para a área de genômica. Foram avaliados estudos em estágio inicial ou avançado de desenvolvimento. O objetivo foi dar destaque à pesquisa translacional – que começa na ciência básica e resulta na aplicação prática do conhecimento – e aproximar as instituições acadêmicas da organização.

Com o objetivo de reconhecer trabalhos científicos inovadores, o prêmio incentiva a pesquisa e promove a interação da equipe de Pesquisa e Desenvolvimento do Grupo Fleury com os cientistas do País, estreitando o relacionamento com a comunidade científica. De acordo com Jeane Tsutsui, diretora executiva Médica, Técnica e de P&D do Grupo Fleury, a empresa reafirma o compromisso com a inovação por meio do III Prêmio de Inovação em saúde. “Essa forte interação entre os centros de pesquisa permitirá trazer ainda mais inovação para novos produtos e serviços, além de estreitar o relacionamento da empresa com as universidades”, completa.

Os trabalhos que receberam menção honrosa foram ‘Descoberta de marcadores farmacogenômicos ou farmacometabolômicos e avaliação do custo-efetividade da implementação’, de Paulo Caleb Júnior de Lima Santos, da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM-Unifesp); e ‘Estudo traducional para identificação, caracterização e validação de testes diagnósticos e marcadores de gravidade em arboviroses’, de Ester Cerdeira Sabino, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (IMT-USP), Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e Biomérieux Brasil S.A.

       
Publicidade

Deixe uma resposta