💼 HIS17 Ministro da Saúde, Ricardo Barros, confirma presença no encerramento. Emita sua credencial gratuita

Governo altera decreto sobre planos de saúde para servidores federais

Publicidade

Foi publicada hoje, no Diário Oficial da União, a alteração no artigo primeiro do decreto 4.978, de 3 de fevereiro de 2004, que trata de convênios e planos de saúde para servidores públicos federais. De acordo com a subchefe adjunta para assuntos jurídicos da Casa Civil, Denise Abreu, a alteração foi feita para evitar discussões em torno de interpretações jurídicas do decreto, que segundo ela, já estavam ocorrendo, informa a Agência Brasil. O texto original previa que a assistência à saúde do servidor seria prestada por intermédio de convênios firmados com entidades fechadas, de autogestão, sem fins lucrativos. A alteração publicada hoje inclui a possibilidade de a assistência à saúde do servidor ser prestada mediante contrato, respeitadas as exigências estabelecidas pela lei 8.666 ? que institui normas para licitações e contratos da Administração Pública.
A mudança foi feita depois que empresas particulares protestaram junto ao Tribunal de Contas da União. De acordo com essas empresas, o decreto original teria sido uma forma de o governo vetar a entrada de planos de saúde privados aos servidores e, ao mesmo tempo, de favorecer a Geap (Fundação de Seguridade Social), entidade assistencial sem fins lucrativos que presta assistência hoje ao funcionalismo.
Denise Abreu afirmou que nem o decreto original e nem o texto atual apresentam qualquer possibilidade de monopólio por parte da Geap. Segundo ela, existem diversas outras entidades fechadas, de autogestão e sem fins lucrativos que também podem firmar convênios com o governo federal para a assistência de saúde dos servidores. Como exemplo, Denise citou a Assefaz (Fundação Assistencial dos Servidores do Ministério da Fazenda), Fioprev (Instituto Oswaldo Cruz de Seguridade Social) e Assincra (Associação dos Servidores do Incra).
O texto original, segundo Denise, também não impedia a possibilidade de contratos firmados entre o governo e empresas privadas, que já são previstos na lei de licitações. ?Nós entendemos que desde o início o decreto regulamentava apenas convênios, sem excluir a possibilidade dos contratos. Pelo decreto original, se não fosse licitar e decidisse fazer convênios, o governo federal teria que firma-lo da forma como estava previsto no texto?, afirmou.
Como o texto original gerou dúvidas, Denise afirmou que o governo decidiu ?clarear a situação? colocando de forma expressa no decreto a possibilidade de o governo firmar contratos com empresas privadas por meio de licitações.

       
Publicidade

Deixe uma resposta