Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Gol Anulado

Publicidade

Poucas coisas na vida exigem mais cuidado do que uma boa comemoração. Gastamos, todos nós, indivíduos e país, muito tempo e até energia festejando pequenas vitórias que, ao fim de um curto período, mostram-se ilusórias e momentâneas. Nada a ver com a efêmera alegria dos gols de Ronaldo, Kaká & Cia. ou com a defesa de um jeito sisudo de ser, pouco apropriado ao temperamento do brasileiro. Apenas é preciso ter clareza de que uma boa notícia isolada não pode ser entendida ? e, principalmente, ?vendida? ? como uma mudança de paradigma. Nos últimos anos, o Brasil vem sendo bombardeado com alguns indicadores econômicos e sociais positivos, como um crescimento do PIB acima de 4%, inflação sob controle e um avanço na taxa de matrículas nas escolas, que atingiu 91% dos brasileiros em idade escolar. A expectativa de vida da população também cresceu, de 70,2 para 70,5 anos de idade. Entretanto, ainda estamos na 63a posição no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).
É verdade que os dados analisados no IDH divulgado no final de agosto ainda eram relativos a 2003 e que o salto no PIB foi registrado no ano seguinte, o que deve elevar nossa classificação no próximo levantamento, mas essa possibilidade apenas reforça a importância de assegurarmos a sustentabilidade das políticas públicas.
Vamos aos números de duas áreas sensíveis. O investimento brasileiro em educação em 2003 foi de 4,2% do PIB. Aparentemente, um percentual muito próximo ao aplicado por nações desenvolvidas da Europa. Uma análise de médio prazo, no entanto, alerta para o fato de que este valor está longe de recuperar perdas passadas. No que diz respeito às universidades federais, estamos falando de uma redução que alcançou 50% no investimento em cerca de dez anos, nos governos Itamar Franco e FHC.
Da mesma forma, os gastos públicos com saúde contabilizaram 3,6% do PIB, contra 4,3% do PIB em inversões privadas. Mesmo a soma é ainda muito pouco para responder a desafios que passam pelo atendimento às necessidades básicas de uma população de quase 180 milhões de pessoas e por tratamentos cada vez mais tecnologicamente avançados e eficazes, porém igualmente mais caros.
Os próprios dados do Pnud denunciam uma verdade incontestável: o Brasil avançou socialmente, porém em um ritmo mais lento que a média dos 177 países analisados. Em resumo, para recuperarmos nossa defasagem, ao menos nos campos da educação e da saúde, teremos de investir mais, melhor e por muito mais tempo.
Sem políticas públicas sustentáveis, que independam do desempenho da economia ou da ideologia no poder, não será recomendável promover maiores comemorações, ainda que as verbas e o IDH cresçam modestamente.
Afinal, a frustração é sempre do tamanho exato da expectativa criada e, como disse o poeta Aldir Blanc, nada pior do que ?a falsa euforia de um gol anulado?.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta