Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Gestão do corpo clínico passa por transição

Publicidade

“A gestão do corpo clínico passa por uma fase de transição”, defende o superintendente de Estratégia Corporativa do Hospital Sírio-Libanês, Paulo ChapChap, durante a realização do Intercâmbio de Ideias, na oitava edição do Saúde Business Fórum.

Atuando também como médico, o executivo brinca que foi considerado um traidor pelo corpo clínico a cuidar da gestão. “O médico ver qualquer tipo de padronização como uma intervenção. Por isso é necessário envolvê-los nessa discussão”, pontua.

Com um pouco clínico pouco contratualizado, e tendo o gasto de 35% da folha de pagamento com médicos registrados, e 50% com terceirizados, o hospital instituiu um conselho médico que reúne-se semanalmente durante três horas para discutir as diretrizes médicas do hospital. “Esse foi o caminho para buscar a conciliação de interesses diferentes. Cada médico é como se fosse o presidente de sua própria, á natural que tenha interesses próprios”, compara.

A transição pela qual a gestão passa refere-se exatamente ao envolvimento do corpo clínico em questões administrativas, a ter informações para que possa tomar as decisões alinhadas também a instituição. “O profissional começa a enxergar também as limitações das vontades”. Para ele, o futuro do médico de hospital exige uma liderança de equipe de saúde, melhor preparo e maior interesse na gestão. Hoje, o executivo ressalta os conflitos de interesse existentes, como a realização de procedimentos nem sempre necessários, ou então o alongamento do tempo de permanência no hospital. Para o executivo, a remuneração dos honorários médicos passa para um modelo de pagamento por desempenho.

Caminhos

Para o médico, um caminho para fidelizar o corpo clínico é focar no treinamento e desenvolvimento profissional e oferecer uma infraestrutura de qualidade para o médico trabalhar.

Alinhar equipes distintas de mesma especialidade também é outro desafio a ser vencido. “Eles são naturalmente concorrentes. Definir os protocolos exige que tragamos para eles as evidências médicas. A competição é acirrada”.

A presidente do Hospital São Luiz, Denise Santos, defendeu a participação dos médicos também na negociação com as operadoras e fornecedores de órteses, próteses e materiais especiais (OPME). “Esse é um custo alto e depende da negociação do médico. Sem esse tripé alinhado há um desequilíbrio”, aponta.

A diferença de remuneração entre as especialidades também foi apontado como um desafio a ser vencido. “Dentro do hospital há médico que chega a ganhar R$ 600 mil”, assinala ChapChap. Na opinião do executivo, para as especialidades menos remuneradas, como pediatria, por exemplo, a tendência é que elas sejam institucionalizadas mais facilmente. “Logo, estar em uma instituição referendada será mais interessante.para o profissional. E isso já acontece, basta olhar para o pronto-atendimento dos hospitais”, pontua.

Na visão do diretor executivo do Hospital Mãe de Deus, Alceu Alves, a relação com o médico tem que ser menos emocional e o profissional não pode ser visto como cliente. “O poder do médico reside exatamente em seu conhecimento e é isso que o paciente vai buscar no hospital. O médico não pode ser um cliente, não é para isso que o hospital existe”, critica.

 Leia mais:

Confira a cobertura completa do Saúde Business Forum 2010

Você tem Twitter? Então, siga https://twitter.com/ e fique por dentro das principais notícias do setor.

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta