💼 HIS17 Ministro da Saúde, Ricardo Barros, confirma presença no encerramento. Emita sua credencial gratuita

Genérico não passa por novos testes para registro

Publicidade

Remédios genéricos não precisam passar por novos testes e pesquisas clínicas para serem registrados na Anvisa, desde que comprovem ter o mesmo princípio ativo do remédio da marca referente. O entendimento é da 3ª Vara da Justiça Federal do Distrito Federal.
A primeira instância não acatou as alegações da empresa Eli Lilly and Company e considerou regular a emissão de registro aos medicamentos genéricos do Effient, que tem por princípio ativo a substância prasugre.
A farmacêutica tentou impedir que a Anvisa concedesse os registros e retirasse os já concedidos. Não conseguiu. Cabe recurso.
A tese da empresa foi a de que a Anvisa não poderia conceder registros com base nos estudos, testes e pesquisas que constam no banco de dados da agência. Isso porque foram feitos pela Eli Lilly and Company e deveriam ser protegidos enquanto vigente o período de exclusividade de dez anos previsto na Lei 10.603/2002.
Para a empresa, ao conceder o registro exigindo apenas a comprovação do mesmo principío ativo, a Anvisa facilitou a concorrência desleal. Isso por permitir que tais versões genéricas entrassem no mercado com preços menores que àqueles praticados pela Eli Lilly and Company. Não é o que resolveu o juiz Bruno César Bandeira Apolinário.
Para o juiz, a agência apenas cumpriu a Lei 9.787, que estabelece os medicamentos genéricos, permitindo o ingresso no mercado de produtos similares aos de referência, desde que comprovada a equivalência entre ambos no que diz respeito à composição qualitativa e quantitativa dos princípios ativos e no tocante à biodisponibilidade, ou seja, a velocidade de absorção destes princípios ativos em uma forma de dosagem.
Segundo o juiz, seria contra os princípios da eficiência da administração pública solicitar novos testes para conceder registros a um medicamento cuja eficácia do princípio ativo já foi comprovada.
No entanto, ele ressaltou que a legislação brasileira assegura aos inventores privilégio temporário para a utilização dos seus inventos.
Neste caso, a Eli Lilly and Company deveria solicitar patente sobre o medicamento, que é concedida mediante anuência da própria Anvisa, por força do artigo 229-C da Lei 9.279/96 (?A concessão de patentes para produtos e processos farmacêuticos dependerá da prévia anuência da Agência Nacional de Vigilância Sanitária ? ANVISA?), que só poderá deferir o registro de medicamentos genéricos após a expiração ou renúncia da proteção respectiva, nos termos do artigo 3º, inciso XXI, da Lei 6.360/76, com redação dada pela Lei 9.787/99.
A empresa mencionou o artigo 39.3 do Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio (Acordo TRIPS ou Acordo ADPIC), em que os membros signatários comprometeram-se a adotar providências para que as informações confidenciais necessários à aprovação da comercialização de produtos farmacêuticos sejam mantidos em sigilo e protegidos contra o uso comercial desleal.
O juiz entendeu que em seu artigo 8° o Acordo TRIPS (1994) diz que os membros, ao formularem suas leis, poderão adotar as medidas necessárias para proteger a saúde pública; para evitar o abuso dos direitos de propriedade intelectual por seus titulares; e para evitar o recurso a práticas que limitem de maneira injustificável o comércio.
Tal disposição vem conferir legitimidade à opção política feita pelo legislador nacional ao elaborar a Lei 10.603/2002, que criou o direito de exclusividade decenal em favor dos autores dos estudos disponibilizados ao Estado como condição para aprovar a comercialização de produtos farmacêuticos de uso veterinário, fertilizantes, agrotóxicos, seus componentes e afins.

       
Publicidade

Deixe uma resposta