Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Gastos com a 3ª idade devem dobrar até 2050, diz a OCDE

Publicidade

Os gastos que os países-membros da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) direcionam para o cuidado de idosos dependentes vai dobrar, e talvez até ficar três vezes maior até 2050, alertou nesta quarta-feira o organismo em comunicado divulgado à imprensa. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

 

 

Segundo a organização –grupo formado pelos 34 países mais ricos do planeta–, é preciso melhorar a gestão do atendimento e os cuidados oferecidos aos idosos, pois há uma expectativa de que a população de 80 anos ou mais passe dos atuais 4% da população total dos países-membros para 10% até 2050.

Em 2008, os gastos com cuidados de pessoas dependentes representou, em média, uma fatia de 1,5% do PIB dos países OCDE.
Contudo, os gastos variaram enormemente, indo de 0,1% em Portugal até 3,6% na Suécia.

Diante desta situação, o mexicano Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, aconselha os países a revisarem as políticas atuais já que, segundo ele, elas carecem de coerência em muitos dos países-membros.

Segundo Gurría, é preciso “otimizar os gastos” e “dar respaldo às famílias que constituem a espinha dorsal dos dispositivos de cuidados de longa duração”.

Atualmente, segundo o censo da OCDE, cerca de 70% das pessoas dependentes recebem cuidados em seu próprio domicílio, o que é menos custoso que o cuidado em instituições que, mesmo menos utilizadas, absorvem 62% dos gastos totais.

Entre os integrantes da OCDE, mais de um adulto em cada dez se ocupa de uma pessoa dependente, avalia a organização.

Contudo, o informe indica que cuidar de um dependente tem consequências para as pessoas que o fazem, já que estes têm maiores gastos e sofrem uma probabilidade maior de “padecer de problemas mentais 20% mais elevada que o restante da população”.

Para a OCDE, “não é desejável que se implique demasiadamente os familiares nestas tarefas”.

Para a organização, além de reforçar a ajuda aos dependentes, “vários países devem reforçar o setor formal e efetuar reformas para atrair mais mão de obra neste setor”.

Os profissionais do setor (enfermeiras, auxiliares, etc.) representam atualmente entre 1% e 2% da população ativa e esses números também devem duplicar até 2050, estima a OCDE.

 Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/#!/sb_web e fique por dentro das principais notícias de Saúde.

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta