Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Funasa firma convênio com a Fiocruz para vigilância alimentar indígena

Publicidade

A Fundação Nacional de Saúde (Funasa) fechou parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para implantação da Vigilância Alimentar Nutricional na saúde indígena. A ação inovadora tem por objetivo direcionar as políticas de segurança alimentar do governo para os povos indígenas. O convênio, a ser fechado ainda neste ano, será formalizado dentro do projeto Vigisus II, que conta com apoio do Banco Mundial, informa a assessoria de imprensa da Fiocruz.
A estratégia terá início com a capacitação de profissionais de dez Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dseis), por meio do curso em vigilância alimentar e nutricional na atenção à saúde indígena. O modelo de curso existente na Fiocruz está em fase avançada de adaptação para atender esta população alvo. Um projeto piloto será implantado, no início de 2005, em Mato Grosso do Sul, com o atendimento de 18 equipes multidisciplinares de 14 pólos bases.
O curso se dará na modalidade de ensino à distância, visando formar profissionais das equipes multidisciplinares (médicos, enfermeiros, odontólogos etc). Serão fornecidos CDs, vídeos e dois livros para os profissionais, que dedicarão uma hora de seu expediente de trabalho ao estudo direcionado. Eles terão acesso a exercícios, que poderão solucionar de forma prática na área de atuação. A orientação dos profissionais pelos técnicos da Fiocruz ocorrerá por meio da internet, telefone, fax e até mesmo correios. O curso de especialização, para profissionais de nível superior, levará um ano, e o de desenvolvimento, para o nível médio, nove meses. Numa segunda etapa, serão treinados também os agentes indígenas de saúde. Segundo a nutricionista Aline Diniz Caldas, gerente de Vigilância Nutricional da Funasa, esta forma de aplicação dos cursos permitirá que os profissionais a serem capacitados permaneçam em suas áreas de atuação. Além disso, possibilitará que profissionais do Mato Grosso do Sul, por exemplo, que estejam em Carapó, a 450 quilômetros de Campo Grande, tenham acesso ao que existe de mais moderno no setor.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta