Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Fórum da Anahp: Setor saúde continua sendo bom negócio

Publicidade

O 6º Fórum ANAHP, que começou hoje (5/9) em São Paulo no Hotel Transamérica, recebe cerca de 250 profissionais do setor de saúde para discutir os principais caminhos para a eficiência em gestão do sistema privado. Dirigentes de instituições de diferentes origens (investidores, comunitários, familiar e religiosa) abordaram até que ponto essas diferenças impactam numa gestão de sucesso. As redes de atendimento como vantagem competitiva também foram destaques das discussões. Para Reynaldo Brandt, presidente da ANAHP, trabalhar com saúde é um bom negócio. ?Diferente do que vem sendo colocado na mídia nos últimos meses, como um setor de cenário sombrio, a Saúde é um bom negócio para se atuar pela sua alta demanda, desafios tecnológicos e capacitação profissional, entre outros pontos.? Uma pesquisa realizada com os participantes durante o evento mostrou que 61,5% acham que o modelo que tem maior chance de sucesso no mercado competitivo de saúde é o de origem de investidores.
O case apresentado desta instituição foi a do Grupo VITA, que deve fechar o ano com um faturamento de R$ 110 milhões. Para Edson Gomes dos Santos, presidente do grupo, o principal desafio sempre foi tornar os hospitais da rede interessantes para grupos de investidores. ?O principal ganho para o investidor se concentra entre o momento que ele entra e sai do negócio, ou seja, é neste período que o valor é agregado. Até hoje já foram investidos cerca de R$ 34 milhões em toda a rede de hospitais e clínicas.? A pesquisa com os participantes no Painel Interativo, mostrou também que 65,9% acham inclusive que os investidores têm direito de influenciar nas decisões estratégicas dos hospitais e 59% acreditam que deve haver separação entre as funções estratégicas e administrativas nas instituições.
Já as redes de atendimento como é o caso do Diagnósticos da América – DASA (rede de laboratórios) e do Hospital Santa Catarina (rede de serviços), a abertura de capital para expansão de multi-marcas, produtos, regionalização e serviços segmentados têm sido o grande filão. Para as duas redes, o retorno financeiro positivo é resultado de toda a padronização de seus processos internos, alinhando todas as unidades com a mesma visão, a fim de perpetuar a companhia. Para 50,4% dos participantes os hospitais de rede privada teriam hoje como atuar em rede e o principal ganho, para 46,6% seria em relação a compra de materiais. O resultado final mostra que 66% acreditam que a formação de redes é um caminho sem volta num futuro bem próximo.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta