Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

FK Biotecnologia parte para expansão externa

Publicidade

A gaúcha FK Biotecnologia, até hoje voltada à pesquisa na área da saúde humana, parte agora para um ambicioso plano de internacionalização por meio de uma associação com a canadense ZBx Corporation e o início da produção em escala industrial de kits de diagnóstico, larvicidas biológicos e vacinas anticâncer. O plano, conta o fundador e presidente da empresa, o médico Fernando Kreutz, é criar a associação, a FK Corporation, até o final do primeiro semestre de 2009, e, em um prazo de 18 a 36 meses, realizar um IPO na bolsa de valores de Toronto e depois na Bovespa.
Deixe o seu comentário sobre esta notícia
Tem mais informações sobre o tema? Então, clique
A nova empresa permanecerá sob o controle majoritário de Kreutz e da Lifemed, fabricante de insumos e equipamentos hospitalares que já tem uma fatia de 10% na FK. Além da ZBx, também do ramo de biotecnologia, a futura companhia terá ainda a participação de empresas de private equity, o que está em negociação. A estrutura societária ainda não está definida.
Segundo Kreutz, até a formalização da nova empresa a idéia é captar cerca de US$ 14 milhões de novos investidores. Quando for constituída, a FK Corporation terá um valor de mercado entre US$ 35 milhões e US$ 40 milhões. Mas ele entende que, quando a empresa estiver pronta para acessar o mercado de capitais na América do Norte, o valor poderá estar em US$ 250 milhões.
De acordo com o executivo, a decisão de buscar primeiro abertura de capital no Canadá se deve à maior compreensão dos investidores do valor de uma empresa de biotecnologia e do seu potencial de crescimento em relação à percepção no Brasil, além da experiência da ZBx no mercado acionário. Outra questão, diz ele, é o fato de a bolsa canadense estar mais preparada para operações de companhias de menor porte. “A capacidade do mercado de entender o negócio é muito melhor lá do que aqui”, afirmou.
A nova empresa deve iniciar a produção no primeiro semestre do ano que vem. O primeiro produto a ser lançado no mercado será um larvicida biológico para combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti. A fabricação ocorrerá na unidade da Lifemed em Pelotas (RS). A segunda linha de produtos será a de kits de diagnóstico. “O Brasil é hoje 100% dependente da importação destes produtos”, disse o presidente da Lifemed, Franco Pallamolla, que também comanda a Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo). A produção abrangerá desde kits mais simples, como de teste de gravidez, como os de maior complexidade, a exemplo dos de detecção de HIV, para detectar a Aids. A unidade em Pelotas já tem capacidade para produzir até 60 mil kits de teste por dia. A Lifemed também está investindo para ampliar a capacidade produtiva a partir da constituição da FK Corporation, com um aporte de R$ 40 milhões na construção de um novo parque industrial.
A FK terá ainda no Parque Tecnológico da PUC-RS (Tecnopuc) um laboratório para a produção de vacinas anticâncer. Outro laboratório será implantado no Canadá, nas instalações da ZBx, hoje especializada em testes de diagnóstico rápido, de onde será mais fácil acessar o mercado norte-americano. “As vacinas são um megaprojeto do ponto de vista tecnológico”, disse Kreutz, Ph.D.em biotecnologia que na segunda-feira organizou um encontro informal para apresentar a nova empresa, com a presença do principal executivo da ZBx, Douglas Ball, e de representantes do Consulado do Canadá em São Paulo, que aconselharam a companhia da América do Norte a buscar uma associação com empresa gaúcha.
A FK já está mais avançada no desenvolvimento de uma vacina anticâncer para a próstata, em testes no Hospital das Clínicas, em Porto Alegre, mas também trabalha em produtos semelhantes para mama e colo do útero. O trabalho também será levado para começar a ser testado no Canadá.
Fundada em 1999, a FK foi, no ano seguinte, a primeira empresa brasileira de biotecnologia a receber o investimento de capital de risco. O fundo RSTec, gerido pela CRP Companhia de Participações, tem 23% da empresa. O capital aportado pelo fundo tem origem no BNDESPar, Sebrae e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A empresa nasceu na Incubadora Tecnológica da Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec) e até agora estava sediada no campus da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs).
 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta