Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Família Ermírio de Moraes doa HIFU ao ICESP!

Publicidade

Caros,

Em uma bela cerimônia, nesta quinta-feira 14/04, a família Ermírio de Moraes doou um HIFU (Ultrassom com Foco de Alta Intensidade) ao ICESP (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo), que permitirá o avanço das pesquisas envolvendo esta promissora tecnologia. Em um belo discurso, o Governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, agradeceu a doação e destacou o papel da família Ermírio de Moraes, que sempre se doou a causas humanitárias, com destaque a Antonio Ermirio de Moraes, que durante toda sua vida dedicou parte de seu tempo à Beneficiência Portuguesa, trabalho que continua nas mãos de Rubens Ermirio de Moraes.

Leiam o discurso do Governador Geraldo Alckimn, realizado durante a cerimônia:

Duas palavras: uma palavra de alegria e uma palavra de agradecimento. Palavra de alegria porque é entusiasmaste a gente ver o avanço do SUS aqui em São Paulo e o avanço da ciência, esse Hifu (High Intense Focus Ultrassound) é uma aula de medicina, e não só de medicina, mas de física… de boa pontaria não é? É impressionante o que um ultrassom, não só para diagnóstico, mas um ultrassom para tratamento. Quanto vai avançar em termos de eficiência, de resultados melhores para a população, expectativa de vida, de redução de cirurgias, enfim, de humanização de avanço científico. Não só um aparelho, que é o primeiro da saúde pública da América do Sul, como também o laboratório que é inaugurado, que é o laboratório… como que é o nome… translacional. Eu conhecia transnacional, mas é translacional. Então, o laboratório de investigação translacional do câncer. E este laboratório reúne o maior laboratório de pesquisas de câncer de toda América Latina e integrado aqui com o Hospital das Clinicas, com o Incor, com o Hospital A.C. Camargo estão estudando, pesquisando e curando as pessoas, tratando as pessoas. A gente fica orgulhoso de ver o Sistema Único de Saúde, isso para toda a população, oferecido gratuitamente a quem precisa. Esse instituto inteirinho, esse prédio inteirinho ele é voltado ao SUS oferecendo uma medicina de ponta e o avanço cientifico. Se a gente for verificar nós andamos muito. A expectativa de vida no Brasil era 43 anos de idade, hoje é 74. Quem passa dos 30 é 80. Nós vamos chegar a 100, as mulheres não morrerão mais. Estamos avançando e avançando rapidamente. E a gente se orgulha de ter em São Paulo esse grande centro de ciência, de pesquisa e de saúde pública. E abordando uma questão central que é três causas de morbi/mortalidade no mundo moderno, as principais. Jovem morre de acidente. É causa externa, não é doença, é raro. E depois da juventude, neoplasias e doenças do coração e grandes vasos. A medicina avançou muito nas doenças do coração e dos grandes vasos e caminha também a passos largos o diagnóstico precoce no tratamento das neoplasias.

E a segunda palavra é de agradecimento, uma doação de R$ 2,5 milhões, doutor Carlos Ermírio de Moraes, da família, do Instituto Votorantim. Aliás, doutor Ermírio, eu acho que está no DNA esse compromisso com as pessoas e com a saúde. O doutor Antônio Ermírio, seu pai, dedicou a vida inteira a Beneficência Portuguesa não só materialmente, mas fisicamente. Eu me lembro quantas vezes tomei café com ele lá dentro da Beneficência. Hoje é o Rubens que está dando sequência junto com seu pai, o doutor Antônio lá na Beneficência. José Ermírio de Moraes, e agora a geração mais nova, o hospital A. C. Camargo. A Regina Helena na AACD. Aqui no Instituto do Câncer, enorme contribuição da família para esse instituto, para o Hospital das Clínicas. Isso é uma coisa muito comum nos Estados Unidos e muito rara no Brasil. Aqui é uma percepção de que o Governo resolve tudo, provê tudo. Portanto, é uma belíssima iniciativa que o setor privado, das pessoas serem parceiras do Governo na pesquisa, na ciência, no tratamento, com a universidade, com o hospital.

Então, eu quero reiterar aqui o agradecimento do povo de São Paulo. Vou tomar a liberdade de falar aqui em nome dos brasileiros em São Paulo para agradecer, um gesto eu tenho certeza vai ser um bom exemplo, e que não é feito hoje, mas é feito há décadas pela família em beneficio da nossa população. E cumprimentar o professor Paulo Hoff, esse grande médico e cientista que se dedica a oncologia. A sua equipe toda aqui, como nós temos pesquisadores, pessoas voltadas à universidade e à ciência, meu colega, professor José Otávio, anestesista, hoje diretor da faculdade. Eu sempre tenho dito “olha, se a coisa complicar, chame o anestesista”. O José Otávio está aí na retaguarda. E o professor Giovanni, podem pedir bastante para ele, diz que o governador de Pernambuco, Antônio Ermírio, família de seu avó, é de Pernambuco, não é? Diz que o Roberto Magalhães ele era durão, o governador, e aí o povo sabia que ele gostava muito de canário do reino. Então, o lugar que ele ia, o pessoal “governador, tenho aqui um canário do reino”. E ele ficava todo feliz, gostava de canário do reino. Foi a Caruaru, no interior, veio lá o eleitor, ele desceu já: “oh, governador, aqui o canário do reino. Eu trouxe um canário do reino especial para o senhor em uma gaiolinha tal”. Deu para ele. Ele agradeceu, ficou animado, deu para o ajudante, “oh guarda aí o canário do reino”. Aí o camarada já tirou um envelope do bolso e disse “olha, governador, tenho uma filha precisando de um emprego”. Ele já gritou: “devolve o canário do Reino!”. Mas, podem pedir a vontade lá para o Giovanni Cerri, que ele não falha.

Fonte: Portal do Governo do Estado de São Paulo

Máquina promete curar tumor sem cortes

O equipamento adquirido pelo Governo de São Paulo e será usado no Instituto do Câncer

Por Da Folha Online / Foto: Joel Silva/FolhaPress.

Um novo aparelho de ultrassom que destrói tumores começou a ser usado no Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo). O equipamento de última geração usa ondas de alta intensidade, que atingem só o tumor -elas são direcionadas com auxílio da ressonância magnética.

O tratamento dura de três a quatro horas e dispensa cortes. O paciente permanece consciente o tempo todo. As aplicações clínicas já estabelecidas são para miomas e metástases ósseas. O Icesp já fez seis tratamentos em miomas e vai começar a tratar os tumores nos ossos na próxima semana.

A previsão é usar a técnica em pesquisas clínicas para outros tipos de câncer. O ultrassom com foco de alta intensidade está sendo testado para tumores cerebrais, de mama e de próstata, nos EUA, na Europa e na Ásia.

O Icesp também está desenvolvendo pesquisas para levar remédios ao tumor com auxílio do aparelho. Nesse tipo de tratamento, quimioterápicos em alta concentração são “envelopados” em cápsulas sensíveis ao calor. Aquecidas pelo ultrassom, liberam a droga apenas no local do câncer.

Segundo Marcos Menezes, radiologista do Icesp e do Hospital Sírio-Libanês, o novo aparelho emite ondas 20 mil vezes mais intensas que as do ultrassom comum, usado em exames de imagem. São emitidos mais de mil feixes de ondas, que se concentram na área a ser atingida, em um foco de 1 mm de diâmetro. O processo é similar ao da lente de aumento, que focaliza múltiplos raios de luz em um único ponto.

Cada feixe de ultrassom isoladamente passa pelos tecidos sem causar dano. É só onde os feixes convergem que acontece o superaquecimento que queima o tumor. O aparelho, chamado Hifu (ultrassom com foco de alta intensidade, na sigla em inglês), foi desenvolvido por uma empresa israelense. O Estado de São Paulo pagou R$ 1,5 milhão por ele.

Fonte: Folha Online

Atenciosamente,

Fernando Cembranelli

Equipe EmpreenderSaúde

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta