Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Estudo sobre portadores de aids aponta desigualdade

Publicidade

O Boletim Epidemiológico 2007, apresentado pelo Ministério da Saúde recentemente, aponta que existe discrepância entre pessoas que diagnosticam a aids e sobrevivem na região sudeste, norte, centro-oeste, sul e nordeste.
Com base nas pessoas identificadas com a doença em 2000, 90% dos casos na região Sudeste sobreviveram depois de cinco anos com a doença. Enquanto que na região norte 78% estão vivas, no Centro-oeste são 80%, no Nordeste o percentual é de 81% e no Sul o valor sobe para 82%.
De acordo com a diretoria de Programa Nacional de DST e Aids,os dados numéricos refletem a desigualdade das regiões brasileiras, sendo que o norte e o nordeste são, de fato, regiões mais carentes no quesito saúde.
Na América Latina, o relatório afirma que a epidemia permanece estável. Em 2007, o número estimado de novas infecções no Brasil foi de 100 mil e o de mortes foi de 58 mil.
Atualmente, estima-se que 1,6 milhão de pessoas vivam com aids na América Latina.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta