Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Estudo aponta níveis elevados de ruídos em hospitais

Publicidade

Uma pesquisa apresentada na Escola Paulista de Medicina (EPM) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) analisou os níveis de ruído em uma unidade de terapia intensiva na capital paulista. O estudo encontrou níveis de ruído muito acima dos valores desejáveis. De acordo com a autora, a médica otorrinolaringologista Raquel Paganini Pereira, os dados apontaram um nível de ruído médio de 65,36 decibéis. O índice recomendado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para um ambiente hospitalar ser considerado tranqüilo deve estar entre 35 e 45 decibéis.
?Os níveis de ruídos encontrados são comparáveis com o barulho de um escritório comum. Esse índice elevado acaba retardando a recuperação do paciente, pois o ruído pode aumentar a sensibilidade à dor e aumentar os batimentos cardíacos do paciente?, disse à Agência FAPESP a pesquisadora, que fez o estudo como dissertação de mestrado.
As medições foram feitas nos períodos da manhã, tarde e noite, entre setembro de 2001 e junho de 2002. ?Além disso, o acréscimo de cada 3 decibéis equivale a dobrar a escala sonora subjetiva. Se o permitido pela ABNT é de no máximo 45 decibéis, quando este índice chega a 48 decibéis, por exemplo, os pacientes certamente têm a sensação de que o ambiente possui o dobro da energia sonora?, explica.
Segundo Raquel, a principal causa do barulho verificada foi a conversa entre os médicos, enfermeiros e familiares dos doentes. ?Porém, além do ruído causado pelas pessoas, podemos considerar também os ruídos dos equipamentos, telefones e ventiladores. Trata-se de um grave problema de saúde pública que precisa ser reduzido, sob pena de causar sérios riscos fisiológicos e psicológicos aos pacientes ?, afirma.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta