🚀 HIS18 Já conferiu os primeiros palestrantes do HIS? Já são mais de 15! CLIQUE AQUI

Estados vão receber no próximo ano 3,3 milhões de kits para teste rápido de HIV

Publicidade

O Ministério da Saúde informou que vai enviar, no próximo ano, 3,3 milhões de kits para teste rápido de HIV a todos os estados. O número é quase o dobro da quantidade distribuída em 2008: 1,8 milhão de kits do teste, que dispensa a estrutura laboratorial e agiliza o atendimento de emergência.
Deixe o seu comentário sobre esta notícia
Tem mais informações sobre o tema? Então, clique
De acordo com o ministério, o objetivo da ampliação na remessa de material é fazer com que os diagnósticos de infecção pelo vírus sejam mais precoces, pois em 40% dos casos ele vem sendo feito de forma tardia. A estimativa do órgão é que cerca de 255 mil brasileiros estejam infectados pelo vírus HIV e não sabem disso.
Segundo a diretora do Programa DTS/Aids, Mariângela Simão, o teste tem que ser facilitado, como são as campanhas de vacinação. “A ampliação radical que o Ministério está fazendo na distribuição do teste rápido tem como objetivo fazer com que as pessoas tenham acesso facilitado ao diagnóstico.”
Para o ministro José Gomes Temporão o teste rápido é importante porque amplia o acesso à realização dos exames e. “Isso facilita muito porque você vai ao serviço de saúde e no mesmo momento já sai com o resultado”, avaliou o ministro. “Quanto mais precoce o diagnóstico, melhores são as expectativas em relação ao tratamento e à sobrevida desse paciente”, completou Temporão.
A tecnologia para o teste rápido de Aids foi desenvolvida pelo laboratório brasileiro Bio- Manguinhos, da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz). O exame é feito extraindo uma gota de sangue, como nos testes de glicemia. Em cerca de 20 minutos o resultado está pronto. O teste pode ser feito em todo o país em qualquer Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA).
De acordo com Carlos Gadelha, vice-presidente de Produção e Inovação, da Fiocruz, o teste rápido é importante para que as pessoas que moram em locais com menos infra-estrutura laboratorial tenham acesso ao exame de HIV.
“Você prescinde de toda uma infra-estrutura laboratorial. Assim o exame pode ser levado a comunidades ribeirinhas, a cidades menores, a regiões rurais”, explicou Gadelha.
Segundo ele, quando o teste começou a ser produzido, em 2004, custava cerca de R$ 8,00. Atualmente o kit é fabricado por R$ 6,00 o que significa, uma redução de 50% no preço, considerando a inflação no período.

       
Publicidade

Deixe uma resposta