Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Emprego Industrial: melhores perspectivas a curto prazo

Publicidade

Na passagem de janeiro para fevereiro na série livre de efeitos sazonais, o pessoal ocupado assalariado na indústria apresentou crescimento de 0,5%. Na relação mês/ mesmo mês de 2010, o emprego industrial assinalou avanço de 2,9%, o décimo primeiro avanço consecutivo. No primeiro bimestre do ano houve uma variação acumulada de 2,9%, contra taxa de -0,1% no mesmo período de 2010. A variação acumulada nos últimos 12 meses foi de 3,8%, variação semelhante ao mês imediatamente anterior (3,7%).
Na comparação mensal (mês/mesmo mês do ano anterior), das 14 regiões contempladas pela pesquisa, 13 registraram avanço na ocupação. As maiores contribuições a média geral foram: São Paulo (2,0%), Minas Gerais (4,6%), região Norte e Centro-Oeste (4,8%), região Nordeste (3,1%), Rio Grande do Sul (3,6%) e Santa Catarina (3,1%). Nos dois primeiros meses de 2011 quando confrontados ao mesmo período de 2010, todas as localidades apresentaram maior patamar de emprego industrial. Os maiores avanços foram verificados em São Paulo (2,0%), Minas Gerais (4,3%), região Norte e Centro-Oeste (4,5%), região Nordeste (2,6%), Rio Grande do Sul (3,6%) e Santa Catarina (3,1%).
Setorialmente, apenas cinco dos dezoito setores pesquisados diminuíram o contingente de trabalhadores na indústria contra igual mês do ano passado. Os destaques positivos de maior significância foram: meios de transporte (8,7%), máquinas e equipamentos (6,7%), produtos de metal (7,5%), alimentos e bebidas (2,3%) e máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (6,4%). Por outro lado, papel e gráfica (-7,8%), vestuário (-2,0%) e madeira (-5,6%) exerceram as principais influências negativas. Contribuindo para o crescimento de 3,8% no acumulado do ano, doze dos dezoito setores apresentaram aumento do contingente de ocupados industriais. As maiores altas foram observadas em meios de transporte (8,4%), produtos de metal (8,3%), máquinas e equipamentos (7,0%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (7,0%), borracha e plástico (5,3%), metalurgia básica (8,2%) e alimentos e bebidas (1,4%), enquanto papel e gráfica (-8,0%) e vestuário (-2,4%) responderam pelas principais pressões negativas.
Folha de Pagamento Real. A folha de pagamento real da indústria brasileira apresentou, na relação janeiro/fevereiro já livre dos efeitos sazonais, uma variação positiva de 1,1%, segunda taxa positiva consecutiva. Frente fevereiro de 2010, verificou-se um aumento de 6,8%, impulsionado pelo crescimento das contratações nos segmentos de máquinas e equipamentos (14,3%), meios de transporte (6,9%), indústrias extrativas (9,7%), alimentos e bebidas (5,3%), produtos de metal (10,3%) e máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (9,3%). Nas variações acumuladas, no ano e nos últimos 12 meses, a folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria assinalou variações de 7,0% e 7,7%, respectivamente.
Número de Horas Pagas. Houve um aumento no total de horas pagas na indústria na passagem de janeiro para fevereiro na ordem de 1,1%, com dados já dessazonalizados. Frente ao igual mês de 2010 verificou-se acréscimo de 3,2%, com treze dos quatorze locais e doze dos dezoito ramos pesquisados assinalando crescimento. Dentre os locais pesquisados, os maiores impactos positivos vieram de São Paulo (2,4%), Minas Gerais (5,1%), região Norte e Centro-Oeste (5,7%), região Nordeste (2,5%) e Rio Grande do Sul (3,8%). Setorialmente, meios de transporte (8,6%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (9,5%), máquinas e equipamentos (6,5%), produtos de metal (7,1%), alimentos e bebidas (2,0%) e minerais não metálicos (7,0%) exerceram as principais contribuições. Já as variações acumuladas no ano e nos últimos 12 meses foram de 3,0% e 4,4%, respectivamente.
Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/#!/sb_web e fique por dentro das principais notícias de Saúde.
 
 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta