Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

DE OLHO NO PRONTUÁRIO ELETRÔNICO

Publicidade

Está na hora de as entidades e agências reguladoras abrirem os olhos para um prontuário eletrônico padrão no Brasil, que atenda via web a hospitais, clínicas e operadoras de saúde pública e privada, regulamentando a questão.

Hoje, proliferam no mercado as ofertas de prontuários eletrônicos de pacientes (PEP) dos mais variados tipos e quase sempre no formato customizado, ou seja, conforme o gosto do freguês.

Sabemos que mais cedo ou mais tarde as informações terão que ser compartilhadas com outros sistemas, não só para que todos tenham a história clínica completa do paciente, mas também pela portabilidade no caso dos planos de saúde.

Ao nos preocuparmos com a padronização do que deve e não deve constar no PEP e como os respectivos sistemas “conversarão” entre si, levamos os olhos para o futuro quando os nossos filhos já receberão o prontuário médico ao nascer, cujo registro o acompanhará até o último dos seus dias, estejam onde estiverem.

A Sociedade Brasileira de Informática em Saúde fará um congresso neste ano tendo o registro eletrônico como o tema central, o que é uma grande iniciativa, mas precisamos de mais, muito mais. E logo.

O setor público, por exemplo, começa a enveredar por esse caminho da solução interna, no caso a Justiça Federal, que com o chamado registro público de preços, permite que outros órgãos adotem idêntico modelo, evitando uma nova licitação, independentemente do que acontece no mundo exterior.

Josué Fermon

www.fermon.com.br

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta